Em Bruxelas, Nicola Sturgeon, primeira-ministra escocesa e líder do SNP que arrematou quase 60 lugares nas eleições do início de maio, disse que a saída da União Europeia levaria a uma onda de indignação na Escócia que poderia fazer com que a região voltasse a equacionar a saída do Reino Unido. Com a ameaça de um possível novo referendo pela independência, Sturgeon está agora a tentar forçar Cameron a aprovar uma dupla maioria no referendo sobre a UE.

“As sondagens na Escócia mostram de forma consistente que há um grande apoio à pertença à União Europeia. É por isso que queremos uma dupla maioria e assim, só seria possível sair, se todas as nações do Reino Unido votassem nesse sentido e assim, a Escócia não sairia da UE contra a sua vontade”, defendeu Nicola Sturgeon numa conferência na capital belga.

A líder do SNP diz que é impossível anteceder as consequências que a saída do Reino Unido da UE teriam na Escócia, mas admite que seria “uma alteração material nas atuais circunstâncias” que “precipitariam uma demanda popular para um segundo referendo” sobre a independência da Escócia.