Ambiente

Degelo do permafrost liberta milhões de toneladas gases com efeito de estufa

536

As emissões resultantes do degelo do permafrost, sob a forma de dióxido de carbono ou metano, aceleram o ritmo do aquecimento global, que por sua vez intensifica o degelo.

Zonas do permafrost cobrem cerca de 25% da terra do Hemisfério Norte

AFP/Getty Images

Cientistas preveniram nesta terça-feira em Bona para o círculo vicioso que representaria, para as alterações climáticas, o degelo do permafrost, os solos gelados em permanência que retêm milhares de milhões de toneladas de gases com efeito de estufa. “Existem 1,5 biliões (milhão de milhões) de toneladas de gases com efeito de estufa congeladas e retidas no permafrost”, que representa um quarto da superfície terrestre no Hemisfério Norte, afirmou a investigadora Susan Natali, do Woods Hole Research Center, à margem das negociações que decorrem em Bona para preparar a conferência sobre o clima da Organização das Nações Unidas, prevista para novembro/dezembro, em Paris.

Aquele volume, acumulado há milhares de anos, é “cerca de duas vezes mais importante do que o já está na atmosfera”, realçou, em declarações à comunicação social. “Podem, portanto, imaginar que, quando o permafrost derreter e uma parte, mesmo pequena, desse gás com efeito de estufa for libertado na atmosfera, isso possa causar um aumento importante das emissões globais” destes gases, acrescentou.

As emissões resultantes do degelo do permafrost, sob a forma de dióxido de carbono ou metano, aceleram o ritmo do aquecimento global, que por sua vez intensifica o degelo, explicou Natali, descrevendo o círculo vicioso. “Segundo as nossas estimativas, 130 a 160 giga toneladas de gases com efeito de estufa poderiam ser libertadas na atmosfera até 2100” em razão deste degelo, quantificou Natali.

As zonas do permafrost cobrem cerca de 25% da terra do Hemisfério Norte. Até ao final do século, devem diminuir entre 30% a 70%, conforme a dimensão das emissões dos gases com efeito de estufa. “Nos cenários de emissões fracas, prevemos uma perda de 30%”, número este que pode subir para os 70% nos cenários mais negros, indicou a cientista, coautora de um estudo publicado na revista ‘Nature’ em abril.

A estimativa mais baixa supõe uma redução drástica destas emissões, para que se possa atingir o objetivo de limitar o aquecimento global a dois graus centígrados (2ºC) em relação ao período anterior à Revolução Industrial que a comunidade internacional fixou. A estimativa mais alta corresponde a um cenário em que as emissões não estão sujeitas a qualquer controlo.

A conferência de Paris vai procurar concretizar um acordo parta que o aquecimento global fique abaixo dos 2ºC. Até ao seu início, os países têm de apresentar os seus objetivos de redução da emissão destes gases. “As ações que decidirmos agora sobre as nossas emissões devidas às energias fósseis vão ter um impacto importante”, sublinhou Natali. “Sabemos que as fugas de gases com efeito de estufa do permafrost vão ser importantes e irreversíveis” e que elas “devem ser tomadas em conta se quisermos atingir os nossos objetivos em termos de emissões”, preveniu ainda a cientista.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)