Sindicatos e artistas vão desfilar esta terça-feira, em Lisboa, pelo aumento dos apoios ao setor da cultura e por uma “política alternativa que valorize” a criação e o património. A marcha está prevista para as 18h, com início na Praça Luís de Camões.

O apelo foi lançado por 37 organizações sindicais e de produção artística do país, que defende a utilização de um por cento do PIB para o setor da cultura. Ao longo deste mês de junto, vários representantes irão juntar-se à campanha “Dias da Cultura em Luta”, com iniciativas públicas de protesto e informação ao público, como espetáculos, intervenções públicas, desfiles e debates, em diversas cidades do país.

Entre os subscritores envolvidos na campanha estão a Associação das Coletividades Concelho Lisboa (ACCL), a Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), a Associação Portuguesa de Realizadores (APR), a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espetáculo e do Audiovisual (CENA).

A Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto (CPCCRD), a Escola da Noite — Coimbra, a Associação Barreiro – Património, Memória e Futuro, a IMARGEM – Associação de Artistas Plásticos de Almada, a Loucomotiva – Grupo de Teatro de Taveiro, e os Músicos de Coimbra também aderiram.

O desfile, que terá início na Praça Luís de Camões, seguirá depois até ao Cais do Sodré onde, às 19h30, será lido um comunicado conjunto e realizado um ato artístico.