Rádio Observador

Lisboa

Já é possível visitar os Terraços do Carmo

405

A Câmara de Lisboa inaugurou o miradouro dos Terraços do Carmo, que liga o Largo do Carmo à Rua Garrett, representando a conclusão do plano de recuperação do Chiado, em Lisboa.

Os trabalhos iniciaram-se em setembro de 2009, porém só agora foram concluídos, devido a “vicissitudes extraordinárias”

©Américo Simas / CML

Autor
  • Agência Lusa

A Câmara Municipal de Lisboa inaugurou o miradouro dos Terraços do Carmo, que liga o Largo do Carmo à Rua Garrett, representando a conclusão do plano de recuperação do Chiado, quase 27 anos depois do incêndio de 1988.

“Conclui-se o plano de recuperação do Chiado, quase 27 anos depois, e podemos dizer que é um dia muito especial, um dia em que podemos ver uma vista única que era desconhecida”, afirmou o presidente da autarquia lisboeta, Fernando Medina.

O autarca, que falava aos jornalistas após a cerimónia de inauguração daquele espaço, acrescentou que “onde dantes estavam uns barracões [que pertenciam à Guarda Nacional Republicana] e uma zona degradada está hoje um novo miradouro, com uma vista sobre a cidade e onde hoje se torna mais fácil fazer a acessibilidade da parte baixa ao Largo do Carmo”.

Além disso, por ali é também possível ter acesso às ruínas do convento do Carmo e a museus, salientou Fernando Medina.

A construção deste jardim suspenso da autoria do arquiteto Siza Vieira – que irá contar com uma cafetaria e esplanada – teve um custo total de cerca de dois milhões de euros e foi financiada com verbas do município e também do Turismo de Portugal.

Os trabalhos iniciaram-se em setembro de 2009, porém só agora foram concluídos, devido a “vicissitudes extraordinárias”, referiu Fernando Medina.

O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, explicou aos jornalistas que se verificaram “problemas de estrutura, de arqueologia, mas também com os próprios empreiteiros, [já que] o empreiteiro não foi o mesmo no início e no final”.

A obra gerou contestação de lojistas da Rua do Carmo, cujos estabelecimentos foram afetados com infiltrações e fissuras resultantes da primeira fase da construção do jardim, por estarem situados junto à muralha adjacente dos trabalhos.

Manuel Salgado frisou “os prejuízos serão assumidos pela Câmara”, estando já acordados com quatro comerciantes. Os valores são “pouco significativos”, na ordem das “dezenas de milhares”, adiantou.

Foi também inaugurado o Elevador de Santa Luzia que liga a Rua Norberto Araújo, em Alfama, ao Miradouro de Santa Luzia, acabando com um desnível de cerca de 15 metros.

Esta empreitada custou perto de um milhão de euros e demorou cerca de dois anos, implicando ainda arranjos no miradouro, nomeadamente ao nível dos azulejos.

Presente na cerimónia, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, salientou que a infraestrutura irá permitir “favorecer a mobilidade das pessoas” que aqui moram.

O elevador insere-se nas novas acessibilidades à colina do Castelo de São Jorge, que visam atenuar as barreiras impostas pela topografia do terreno e pelas características do tecido urbano desta área histórica, através da introdução de meios mecânicos.

Fernando Medina deixou a garantia de que a Câmara de Lisboa prosseguirá “a renovação da frente ribeirinha e as acessibilidades de modo suave ao castelo”.

“O meu desejo é que os lisboetas e os estrangeiros que nos visitam possam descobrir aqui nova forma de olhar para a cidade de Lisboa”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)