Rádio Observador

Ténis de Mesa

As lágrimas do treinador que não esteve e costuma estar

390

O habitual treinador da seleção de ténis de mesa não está nos Jogos Europeus de Baku porque o clube não o libertou. Pedro Rufino falou com o Observador minutos depois de Portugal ganhar o ouro.

Um, dois e três. Tiago Apolónia, Marcos Freitas e João Geraldo garantiram a Portugal a conquista da primeira Medalha de Ouro nos Jogos Europeus, que decorrem até 28 de junho em Baku, no Azerbaijão

Francois Nel/Getty Images for BEGOC

Autor
  • Diogo Pombo

Nem meia hora passara e já Pedro Rufino tivera tempo para verter umas quantas lágrimas. Teve que sofrer a bom sofrer, porque a televisão também servia para o lembrar, ainda mais, que poderia estar em Baku ao lado de quem costuma estar. “É um orgulho enorme, ainda por cima depois do desgosto de não ir de ver que o Francisco Santos [o treinador da seleção nacional] esteve à altura”, apronta-se a dizer, quando nos atende a chamada apenas um ou dois minutos depois de Tiago, Marcos e João ficarem com umas medalhas de ouro penduradas à volta do pescoço.

É assim, a tratar por tu, cheio de amizade, que Pedro fala dos mesa-tenistas portugueses. Só não está com eles em Baku, no Azerbaijão, como o fez em setembro, em Lisboa, quando Portugal foi campeão europeu, porque o Grupo Desportivo de Guilhabreu não quis. “Não fui libertado pelo meu clube”, revela, com lamento, embora compreenda a decisão. “Tinha estado 10 dias com a seleção na China. A entidade que me paga é o meu clube e ele entendeu que não me devia libertar durante tanto tempo”, explica, lembrando que os tais 10 dias passariam a 20 caso tivesse ido com a equipa portuguesa à primeira edição dos Jogos Europeus, onde Portugal conquistou o torneio por equipas de ténis de mesa.

Foi de bem longe e sem nunca largar uma televisão que Pedro viu Tiago, Marcos e João irem ganhando. Lá ia trocando umas mensagens e uns telefonemas, para ajudar no que podia. “Jogo após jogo senti que a equipa esteve sempre bem e tranquila”, retrata, com um ou outro ruído a irromper chamada dentro, denunciado que à sua volta havia um clima de festa.

Table Tennis Team European Championships

Pedro Rufino, o último à direita, com os jogadores da seleção nacional, em setembro, quando Portugal conquistou o Campeonato Europeu por equipas. Foto: Tiago Petinga/EPA

É natural: a vitória ainda estava fresquinha. Pedro gostou de a ver e adorou, sobretudo, observar cada um dos mesa-tenistas portugueses a ganharem quando estava um-para-um com os franceses. “O Marcos é talvez dos atletas mais fiáveis em momentos de pressão. É fortíssimo em finais e não era de esperar outra coisa. O Tiago era favorito, embora jogassem na mesma equipa e isso trouxesse fatores extra, pois jogos com colegas de equipas nunca são fáceis”, analisa, para depois chegar à parte dos pares, a única que emperrou os portugueses na final: “Tinham estado muito bem até ali, mas a dupla francesa não ganhou por 3-0 por sorte, porque tiveram match points para isso.”

Aí, no dois contra dois, os gauleses reduziram para 2-1 e obrigaram o benjamim da seleção a jogar para evitar que tudo fosse decidido na negra — a final jogou-se à melhor de cinco jogos. Então, João Geraldo, o canhoto de 19 anos, ganhou e garantiu o ouro a Portugal. “O João esteve incrível. Integrou-se de forma imaculada na equipa e não perdeu qualquer jogo ao longo da competição [por equipas]. Tenho uma grande relação afetiva com ele e não sabia como iria reagir a uma competição destas. Exibiu-se a um nível incrível e foi fundamental no ouro”, defendeu, cheio de orgulho nas palavras, quem, em janeiro, foi considerado o melhor treinador de 2014 pela Federação Internacional de Ténis de Mesa (ITTF).

Foi João, o miúdo, o jovem de Mirandela que só há pouco mais de um ano foi jogar ténis de mesa para a Alemanha (TTF Liebherr Ochsenhausen, o mesmo clube de Tiago Apolónia), que venceu o jogo decisivo. “Não foi a reboque dos outros e misturou-se de forma excelente”, acrescentou Pedro Rufino, que o treino a ele, a Marcos, a Tiago, a João Monteiro e a Diogo Chen — os dois últimos não estão nos Jogos Europeus — quando, em setembro, a seleção conquistou o Campeonato Europeu em Lisboa, na Meo Arena. Agora, conquistadas as duas competições por equipas mais importantes do continente, o que falta a Portugal?

Seguimento. E Pedro explica porquê. “É extremamente importante sentirmos que vem gente atrás destes triunfos. Aquilo que temos de perceber é que vem aí gente que garante um Portugal forte agora e forte daqui por uns anos”, explica, numa frase. Acredita que o país “continuará” a brilhar no ténis de mesa e espera que nenhum treinador volte a ser puxado por um clube para longe da seleção. “A nossa federação não tem um quadro técnico a quem paga e, enquanto assim for, estas situações podem voltar a acontecer. Só espero que não seja comigo”, conclui, sem criticar.

E acaba a lamentar, pois a distância é algo do qual raramente se gosta: “Gostava de os estar a abraçar a todos neste momento.”

BAKU, AZERBAIJAN - JUNE 15:  Joao Geraldo, Tiago Apolonia, Marcos Freitas and coach of Portugal celebrate winning the gold medal in the Mens Table Tennis Team Final during day three of the Baku 2015 European Games at Baku Sports Hall on June 15, 2015 in Baku, Azerbaijan.  (Photo by Francois Nel/Getty Images for BEGOC)

A Medalha de Ouro foi para João Geraldo, Tiago Apolónia, Marcos Freitas e o treinador Francisco Santos. Foto: Francois Nel/Getty Images for BEGOC

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)