País

Falhas nos cuidados continuados deixam perto de 48.500 pessoas acamadas a viver em casa

1.190

Observatório dos Sistemas de Saúde alerta para a falta de resposta dos cuidados continuados, num relatório que aponta ainda para a falta de enfermeiros, redução de camas e de idas às urgências.

As equipas que prestam cuidados em casa são as que menos têm crescido

Joe Raedle/Getty Images

Num país com uma população cada vez mais envelhecida a falta de uma resposta adequada aos idosos é um problema grave que precisa de ser resolvido, alerta o Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) que, no Relatório de Primavera deste ano, dedica um capítulo a esta temática dos cuidados continuados, além de analisar uma série de outras componentes do “acesso do cidadão aos cuidados de saúde”.

Ao todo, segundo o último Census e outros estudos, estima-se que existam em Portugal 110.355 pessoas dependentes no autocuidado no domicílio e, dessas, cerca de 48.500 estarão mesmo acamadas, lê-se no relatório do OPSS, que será apresentado esta terça-feira e a que o Observador teve acesso. Ou seja, são pessoas, maioritariamente mais velhas, que não conseguem desempenhar sozinhas tarefas básicas como vestir, tomar banho, comer, sair ou até mesmo posicionar-se na cama.

E para dar resposta a esta população, havia, no primeiro semestre de 2014, 860 vagas nas unidades de convalescença, 1.895 vagas nas unidades de média duração e reabilitação, 3.692 vagas nas unidades de longa duração e manutenção, 195 vagas nas unidades de cuidados paliativos e 6.982 vagas nas 272 ECCI em funcionamento na altura, um total de 13.624 vagas na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI).

Posto em perspetiva, isto significa que “as vagas da rede representarão menos de 30% das necessidades atuais e ainda menos das expectáveis necessidades futuras relacionadas com o envelhecimento populacional em Portugal”, escrevem os investigadores, que criticam ainda as desigualdades regionais.

Esta é uma situação que o coordenador deste relatório, Manuel José Lopes, designou ao Observador “de emergência social”, na medida em que estas pessoas “estão em casa sem apoio dos serviços de saúde, apesar das equipas de cuidados continuados estarem subocupadas.” A taxa de ocupação destas Equipas de Cuidados Continuados Integrados ao domicílio, em 2014, era de 66%. “São as que têm crescido menos, as que menos recebem referenciação e as que estão subocupadas em todo o país, apesar de serem mais acessíveis”, lê-se no estudo, que denuncia ainda os “avanços demasiado lentos” da implementação da rede de cuidados continuados de saúde mental.

Menos enfermeiros, menos camas e menos consultas nos centros de saúde

No relatório deste ano, “o primeiro com a troika fora de Portugal”, o OPSS elegeu como tema central “o acesso do cidadão aos cuidados de saúde”, em várias componentes, que vão além dos cuidados continuados, já referidos acima. A organização, que se reafirma neste estudo como “independente”, começa por dizer que esta é uma análise “necessariamente incompleta” e reclama que lhes seja dado o acesso às bases de dados dos diferentes organismos do Ministério da Saúde “para análises mais úteis”.

Aliás, essa falta de dados impediu, por exemplo, de “compreender em profundidade as razões da redução da procura” nas urgências hospitalares. Até porque “não se encontram devidamente documentados os efeitos negativos [do aumento das taxas moderadoras] na procura dos cuidados de saúde”. Mas a verdade é que neste último ano reduziram as consultas nos cuidados de saúde primários (centros de saúde) e aumentaram nos hospitais. “Isto num país em que as pessoas têm dificuldades económicas manifestas e em que o transporte de doentes sofreu profundas alterações, dificultando-o”, acrescentou ao Observador Manuel José Lopes.

Reduziu-se ainda o número de camas dos serviços públicos, assim como os internamentos, o número de idas às urgências e o número de enfermeiros. Em 2012, Portugal tinha 5,8 enfermeiros por 1.000 habitantes, contra 8,0 por 1.000 na União Europeia. No Serviço Nacional de Saúde (SNS), em 2013, o rácio era de 3,7 por 1.000 habitantes. Já em relação aos médicos, estes investigadores reiteram o que todos dizem: que não há falta de médicos, estão é mal distribuídos.

Em relação ao medicamento, e ao contrário daquela que tem sido a conclusão feita com base nos indicadores do Infarmed, os investigadores afirmam que “no primeiro ano sem intervenção da troika torna-se evidente uma maior dificuldade no acesso por parte do cidadão, em pequena escala pela diminuição do poder de compra”, mas também por outras dificuldades que resultaram “numa menor acessibilidade ao medicamento”, por causa das falhas nas farmácias.

Além da avaliação, as recomendações. E são várias, neste relatório. Desde a revisão do modelo de contratação e gestão dos recursos humanos nos serviços de urgências, à atenção especial à viabilidade económica das farmácias.

É urgente tomar medidas corretivas, a priori, relativas aos recursos humanos (médicos) e materiais (camas) que desbloqueiem os serviços de urgência nos períodos críticos. Não pode continuar a ser o rigor do Inverno ou do Verão a ditar a atuação política, nesta matéria”, escrevem os investigadores.

Os coordenadores deste estudo terminam o ensaio dizendo que os portugueses ainda “têm acesso aos cuidados de saúde estatais, apesar de esse direito estar ameaçado se não forem acionadas medidas que corrijam muitas das debilidades encontradas, na análise realizada.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)