Rádio Observador

Telma Monteiro

A pentacampeã que chorou por “pensar em tudo”

1.753

As emoções, as horas de treino, os combates e o cansaço. Só ao subir ao pódio e ouvir o hino é que Telma Monteiro parou para pensar nisto. Por isso chorou quando conquistou a medalha de ouro em Baku.

Aos 29 anos, Telma Monteiro venceu outra medalha de ouro em competições europeias de judo. Esta foi na categoria de -57 quilos e deu a Portugal a nona medalha nos Jogos Europeus de Baku, no Azerbaijão

David Finch/Getty Images

Autor
  • Diogo Pombo

A noite já era idosa e, se do lado de cá ainda era quinta, do outro, lá longe em Baku, já se estava na sexta-feira. Por isso, mesmo com uma voz contente e feliz da vida, nota-se que está cansada. Por julgarmos que a fadiga seja de falar, de responder e dizer que sim a entrevistas, prometemos ser rápidos. Mas não, ri-se Telma Monteiro: “Estou é muito cansada de combater. Hoje não parei.” Não senhora, respondemos, quando lhe damos os parabéns e dizemos que parou, sim, quando conquistou a medalha de ouro no judo. A mesma com que ganhou o direito a ouvir o hino nacional em Baku, no Azerbaijão. E a mesma que a fez chorar.

A judoca desfez-se em lágrimas assim que, de medalha ao pescoço, subiu ao pódio e entrou “no momento em que se pensa sempre no que foi preciso fazer para chegar ali”. A cabeça de Telma foi invadida por muitas coisas, umas boas, outras más: os treinos, as vitórias, os combates, as derrotas e, “sem dúvida”, a lesão que, em março, a manteve quieta durante quase um mês, após ser operada ao nervo cubital do antebraço. “É uma altura de grande emoção e orgulho, teres oportunidade de ouvir o hino e ter o ouro. Só quando estamos ali é que pensamos em tudo o que nos custou para lá chegarmos”, explica, com um discurso à mesma velocidade do pensamento, frenético.

É por isso que Telma chorou. Pelo muito de difícil que teve de fazer para os seus combates “parecerem fáceis a quem vê na televisão”. Nunca o são, garante. Mas parece, insiste, devido “às centenas, ou milhares de horas de treino” que conta para que “tudo aquilo possa acontecer” — chegar à final da categoria -57 quilos dos Jogos Europeus e atirar as costas da húngara Hedvig Karakas ao tapete. Ou seja, ganhou por ippon, a melhor maneira de ganhar no judo. “Durante a competição aguentamos tudo: as emoções, o cansaço, as sensações. E só quando estamos ali, com a medalha, é que pensamos nisso. Por isso é que chorei!”, resume.

Foto: IMAPRESS / COP

Foto: IMAPRESS / COP

O orgulho também ajudou. Telma Monteiro sentiu-o, e muito, por ganhar “na primeira edição” destes jogos, por ser “a primeira medalha” e por se tornar pentacampeã — antes, a judoca, de 29 anos, já vencera quatro vezes o ouro em Campeonatos da Europa. Ganhar, a portuguesa está habituada a fazê-lo, mesmo: além das quatro medalhas douradas, Telma já conquistou uma de prata e outras quatro de bronze em Europeus, além das cinco que tem em Taças do Mundo (quatro de prata e uma de bronze). Só lhe resta chegar às medalhas nos Jogos Olímpicos, onde já foi e voltou três vezes de mãos a abanar (Atenas, em 2004, Pequim, em 2008 e Londres, em 2012).

É isso que lhe falta, conseguir o ouro, a prata ou o bronze na competição cujo símbolo tem tatuado num dos antebraços. Será que Telma treme quando lá chega? “Não, os nervos não têm nada a ver. Estou habituada a Mundiais e competições de grande nível. Às vezes perco no primeiro combate, não é comum, mas quando acontece é num dia em que toda a gente está a ver”, lamenta, talvez a pensar nas três vezes em que um país se encheu de expectativa e a viu despir o judogi (equipamento) cedo demais. “[Mas] estou habituada ao mediatismo e ao peso que colocam em cima de mim”, assegura, quando também a conversa já vai longa.

Tão longa que não há tempo para mais. Despedimo-nos, Telma diz até já, ri-se mais um pouco e diz que agora “é continuar a treinar”. Porquê? Há sempre mais medalhas por conquistar. As próximas estão à espera no Campeonato do Mundo de judo (24 a 30 de agosto, em Astana, no Cazaquistão) e no Grand Slam de Paris (17 e 18 de outubro).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)