A TVI24 decidiu acabar, na segunda-feira, com os comentários políticos de Augusto Santos Silva. Este é o último capítulo de uma relação que já estaria tremida desde meados de junho, altura em que o ex-ministro de José Sócrates manifestou publicamente o seu descontentamento pelas sucessivas alterações do horário da rubrica de comentário político que tem naquela estação televisiva. O antigo governante chegou a pôr a hipótese de estar a ser silenciado.

“Recebi hoje [segunda-feira] a comunicação de que a TVI decidiu usar a cláusula contratual que lhe permite revogar unilateralmente o contrato que suporta Os Porquês da Política”, divulgou Santos Silva no seu Facebook, esclarecendo que gostou “imenso de fazer ‘Os Porquês da Política'”. “É (em breve: era) um diálogo duro, exigente e sobre todos os temas relevantes da atualidade política portuguesa e europeia”, explicou. O último comentário será no dia 28 de julho.

Em junho, depois de ter visto mais uma vez a estação televisiva alterar a hora a que o programa “Os Porquês da política” ia para o ar, avisando-o apenas “a meio da tarde”, Augusto Santos Silva disparou contra a TVI e avançou com umas quantas explicações que justificariam alteração da grelha televisiva. Isto porque essa alteração de horário já não se deveu a transmissões de jogos de futebol como anteriormente.

 “(…) Antes que se faça tarde (…)  é, pois, tempo (…) de avançar umas tantas conjeturas, à espera de refutação (…): a TVI já estará farta de comentadores inscritos em partidos políticos e, como já lá tem fartura que chegue de inscritos no PSD, não precisa de um inscrito no PS, (…) porque eu digo disparates e ninguém me vê (…), ou porque a minha voz se está a tornar muito incómoda neste clima de sufoco que vivemos”, criticou Santos Silva no Facebook.

As palavras do ex-governante terão caído mal entre direção da TVI, segundo escreve o Expresso esta terça-feira. Contactado por aquele semanário, Sérgio Figueiredo, diretor de Informação, preferiu apenas agradecer “pelo prestígio e qualidade de comentário que nestes últimos anos [Augusto Santos Silva] emprestou à TVI24”.

Antes, já Augusto Santos Silva tinha anunciado o fim do programa através da página oficial no Facebook – ele que em breve vai lançar um livro coassinado com Paulo Magalhães, com quem divide o estúdio da TVI. Na hora da despedida, o ex-governante não esqueceu o jornalista: “Dado o facto de entretanto a TVI ter rescindido unilateralmente o contrato e assim determinado a morte da rubrica televisiva, o livro, que tinha e tem uma origem e uma natureza completamente autónoma, vai ficar também como testemunho de como essa rubrica foi… e poderia ter continuado a ser. Suponho que se chama a isto a ironia da história“.

Ao Observador, o ex-governante deixou claro: “Não sou eu que me afasto, fui afastado“. “Quem compete explicar a decisão é aquele que a tomou, ou seja, a TVI. Limitei-me a avisar pelos meios ao meu dispor os meus telespetadores”, acrescentou.

Augusto Santos Silva estava na estação de Queluz de Baixo desde 2012. No entanto, depois de a TVI ter começado a transmitir os jogos de futebol da Copa América, o programa “Os Porquês da Política” foi para o ar em três horários diferentes, chegando mesmo a ser emitido às quartas-feiras.