Rádio Observador

Beleza e Bem Estar

Porque andam as mulheres a fazer a barba?

708

É a tendência de beleza mais inesperada: algumas mulheres começaram a barbear-se com gilete porque, alegadamente, isso ajuda a esfoliar a pele e a atrasar o envelhecimento facial. Mas valerá a pena?

Getty Images

Autor
  • Carolina Santos

Costuma dizer-se que a moda não tem limites, e a prova disso são as vozes que se levantam em favor das mulheres fazerem a barba. Ou melhor, tirarem com regularidade pelos faciais que tenham, que muito dificilmente se qualificam como barba. Apesar de isto parecer um sinal do fim dos tempos ou um sintoma de loucura geral, a ideia das mulheres se barbearem vai para além da mera tendência. E o chamariz deste método passa pela promessa de uma pele jovem.

A ideia está longe de ser nova. No Japão, a remoção de pelos faciais há muito que é popular e até tem um nome próprio: kao sori. Tanto Elizabeth Taylor como Marilyn Monroe, ou até Cleópatra, não dispensavam a prática.

Kate Somerville, que faz tratamentos faciais a atrizes como Jessica Alba e Debra Messing, disse ao The New York Times que passa uma Gillete Mach3 (bem conhecida entre o público masculino) na cara, uma vez por semana, desde os 20 anos. E se a prática começou porque os pelos do buço a irritavam, cedo percebeu que passar a gilete funcionava como esfoliante para a pele.

Michelle Money, que entra no filme The Bachelor, postou um vídeo no YouTube não só a assumir que tirava os pelos da cara mas também a afirmar que todas as mulheres têm pelos faciais de que os homens não gostam. Nem as louras escaparam à sua mira: se acham que os seus pelos não se notam, por serem claros, estão muito enganadas, defende a atriz. Para além das declarações, Money aproveita o vídeo para fazer um tutorial sobre como usar a pequena navalha destinada a mulheres, da marca Tinkle, a sua preferida.

Vantagens e desvantagens

Ao contrário do que possa pensar, isto não é só uma desculpa para as mulheres demorarem ainda mais tempo a arranjarem-se. Há quem defenda que passar uma gilete na cara tem benefícios como prevenir o envelhecimento, clarear e revitalizar a pele. O termo clínico é dermaplaning e, alegadamente, o método aumenta o volume de células porque ajuda a remover camadas profundas de pele morta melhor que uma simples esfoliação, para além de deixar a pele mais macia e permitir que os produtos faciais penetrem mais profundamente — não estivessem os poros abertos.

Apesar dos benefícios, muitas mulheres têm medo que os pelos venham mais fortes ou mais escuros e que, de repente, fiquem com mais pelos do que o marido. Para essas pessoas, Elizabeth K. Hale, professora de dermatologia na NYU Langone Medical Center, tem uma mensagem: “a ideia de que tirar pelos com gilete os torna mais grossos e escuros é definitivamente um mito”. Ao que parece, o problema é que o pelo novo nunca esteve exposto ao sol, daí ter uma tonalidade mais escura.

No entanto, a remoção dos pelos faciais feita em casa não é tão eficaz como com um dermatologista ou com um cirurgião plástico. Quem o garante é o Dr. Stafford R. Broumand, um cirurgião plástico que alia a vertente de spa ao seu consultório e que tem consultas de dermaplaning que custam 185 dólares (166 euros) – um preço bem diferente dos cinco dólares (quatro euros) que custa uma embalagem com três navalhas Tinkle ou dos seis dólares (cinco euros) das três pequenas navalhas Shiseido.

E se há quem fique satisfeito com os resultados caseiros e se vicie mesmo na prática, também há quem sofra com os seus efeitos adversos. Barbear a cara pode causar sensibilidade extrema, irritações cutâneas, queimaduras ou cortes. No fundo, tudo o que acontece aos homens.

Em fevereiro deste ano, Anita Bhagwandas escrevia no The Guardian sobre o quão descabido era acreditar que fazer a barba combate o envelhecimento só pelo facto de os homens, regra geral, aparentarem ser mais novos do que as mulheres.

Para Anita, as razões pelas quais os homens têm uma melhor pele do que as mulheres prende-se com três razões:

  1. os andrógenos masculinos causam um aumento da espessura da pele em 25 por cento comparativamente às mulheres;
  2. os homens produzem mais sebo, o óleo que mantém a pele mais hidratada;
  3. a pele masculina tem uma maior densidade de colagénio.

Resumindo e concluindo, homens e mulheres estão biologicamente programados para envelhecer a ritmos diferentes e passar lâminas na cara não vai alterar isso. Bhagwandas acredita mesmo que barbear deixa a pele com um aspeto mais fino, como se fosse papel.

Se estiver tentada a experimentar, pode ver os tutoriais que estão espalhados pela internet, ou optar por pedir conselhos ao seu parceiro, nomeadamente sobre se é melhor usar creme ou gel. Tenha em atenção o seu tipo de pele — se tem a pele demasiado sensível, se calhar não convém arriscar. E não se esqueça de que a partir do momento em que usar a gilete pela primeira vez, outras vezes se seguirão. Os pelos podem até não nascer mais fortes, mas isso não significa que parem de crescer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)