Rádio Observador

Crise no GES

Miguel Sousa Tavares tinha 2 milhões investidos no GES mas diz que não sabia

12.266

Escritor terá investido no GES em 2013, através do fundo ES Liquidez. No total foram 2 milhões de euros, diz o semanário Sol. Mas Sousa Tavares diz que nunca "soube" nem "nunca autorizou".

LUSA

Miguel Sousa Tavares terá investido no Grupo Espírito Santo cerca de dois milhões de euros em unidades de participação do fundo ES Liquidez, num total de cinco movimentos bancários feitos ao longo do ano de 2013. Os dados são do semanário Sol, que teve acesso a sete listas de clientes do Banco de Portugal onde constam os nomes e números de contribuinte de todos os que investiram no grupo. O nome do escritor e jornalista aparece cinco vezes mas, segundo explicações dadas ao mesmo jornal, Sousa Tavares não sabia. “Nunca, com o meu conhecimento ou autorização, fui investidor de produtos do BES e do GES”, diz.

Próximo de Ricardo Salgado, com quem tem ligações familiares, Miguel Sousa Tavares garante que sempre deu ordens aos seus gestores de conta para “jamais comprarem produtos do próprio banco ou de empresas a ele associadas”, conforme explicou em declarações àquele semanário publicadas na edição desta sexta-feira, acrescentando que “nunca” foi “investidor de produtos do BES ou do GES”, pelo menos não com o seu “consentimento ou autorização”.

E defende-se com o desconhecimento sobre o fundo. Diz que não sabia o que era aquela aplicação começada por ES e que, mesmo quando via no extrato bancário o seu dinheiro ali colocado e perguntava de que se tratava, o que lhe diziam era que “a designação [ES] não tinha nada a ver com produtos ou empresas do grupo, que eram assim designadas por se tratarem de carteiras de gestão montadas pelo banco e nada mais”.

Mas tinha. Como chegou a explicar o presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliárias, Carlos Tavares, o fundo ES Liquidez começou por ser um fundo pequeno em 2011, onde os ativos do GES não eram maioritários, mas foi crescendo exponencialmente ao longo do tempo. A meio do ano tinha “um total de 8 milhões de ativos dos quais uma parte relativamente pequena era GES”. No final desse ano, em dezembro, já teria 108 milhões de euros e dois anos depois, em junho de 2013, tinha 1.824 milhões, dos quais 1.6 estavam em sociedades do GES. Ou seja, na altura em que Miguel Sousa Tavares terá colocado o seu dinheiro no fundo, entre o final de 2012 e o final de 2013, a exposição ao GES já era muito elevada.

A CMVM impôs por isso limitações à entidade do GES que fazia a gestão do fundo, a ESAF, obrigando a que reduzisse a exposição ao GES até 20%. Perante as restrições, o BES terá começado a vender dívida nos seus balcões através do papel comercial, prejudicando inúmeras pessoas neste esquema. Mas esse não foi o caso de Sousa Tavares, que não chegou a trocar a ES Liquidez por papel comercial da ESI, não tendo por isso perdido o dinheiro.

Há duas semanas, quando o mesmo semanário noticiou pela primeira vez que o jornalista e compadre de Ricardo Salgado tinha investimentos avultados no grupo da família Espírito Santo, Miguel Sousa Tavares negou a notícia e publicou um direito de resposta dizendo que “nunca” tinha investido “nem sequer dois euros em qualquer produto ou empresa do Universo BES ou GES”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)