Rádio Observador

Malaysia Airlines

Encontrado destroço do MH370, o avião desaparecido?

133

Ministro dos transportes da Malásia avançou que é "quase certo" que o destroço encontrado na Ilha Runião seja de um Boeing 777, o modelo do avião da Malasia Airlines que desapareceu em março de 2014.

O momento em que, alegadamente, as autoridades da Reunião transportaram o pedaço de asa encontrada nos destroços que deram à costa da ilha, situada no Oceano Indíco

Imagem retirada do blogue PeurAvion

“É quase certo” que o destroço encontrado na Ilha Reunião pertença a um Boeing 777 – o modelo do avião da Malasia Airlines que desapareceu em março de 2014 -, disse o ministro dos transportes da Malásia, Abdul Aziz Kaprawi. O vice-presidente australiano Warren Truss, que está a liderar as buscas pelo avião MH370, desaparecido com 239 pessoas a bordo, é mais cauteloso. Diz que a parte encontrada “não é inconsistente com um Boeing 777”, mas que existem “outras possibilidades”.

Parte de uma asa, meia destruída, com alguns buracos e já enferrujada. Este é o retrato resumido do destroço, encontrado na Ilha Reunião, cujas imagens foram enviadas a um ex-piloto militar, de seu nome Xavier Tytelman. O especialista em aviação, pelo que viu nas fotografias, já tinha dito que acreditava que este pedaço de asa podia pertencer ao Boeing 777 da Malasia Airlines. “Não podemos ter a certeza, mas acreditamos que há possibilidades que seja mesmo”, disse o antigo piloto.

Tytelman falou ao Daily Telegraph no plural já que, após receber as imagens, tê-las-á partilhado “com vários colegas”, além de as ter comparado com “centenas de fotografias de outros aviões”. Depois de partilhar e receber opiniões, o ex-piloto acabou por dizer que “todos acham provável que o pedaço de asa seja de um Boeing 777, o mesmo avião do [voo] MH370”.

Esta outra imagem abaixo permite ter uma ideia da origem do destroço. Se se confirmar que é mesmo um pedaço de um Boeing 777 então a identificação será praticamente certa, pois o aparelho que fazia o voo MH370 é o único daquele tipo cujo paradeiro se desconhece.

O voo da Malasia Airlines, que transportava 239 pessoas, desapareceu a 8 de março de 2014. Os radares perderam-no, nunca foram encontrados destroços e ninguém sabe o que aconteceu à aeronave cuja última localização conhecida foi no espaço aéreo da Malásia. Fizeram-se buscas, inventaram-se teorias até que, quase um mês depois, as autoridades deram como provável a queda do avião no sul do Oceano Índico — o mesmo oceano que banha a costa da Ilha Reunião, localizada a Este do Madagáscar.

É possível que as correntes oceânicas, como se pode ver nesta imagem do Wall Street Journal, tenham levado o destroço desde a zona em que se pensava que o avião tivesse caído até à ilha Reunião.

Xavier Tyleman revelou que a polícia local, ao examinar os destroços, concluiu que o pedaço de asa “terá estado cerca de um ano em contacto com a água”. O ex-piloto chegou mesmo a referir que a Austrália — país que se encarregou, na altura, de liderar as operações de busca pelo avião desaparecido — já informou as autoridades da Reunião que pretende examinar os destroços.

Mas quem é Xavier Tyleman?

Agora, a primeira de duas perguntas: quem é o homem que recebeu as primeiras imagens dos destroços? Sabe-se que é “um especialista em segurança aérea”, como se autointitula na descrição que fornece no blogue sobre aviação, do qual é autor. Revela também que é um “antigo piloto militar”, com experiência em “aeronaves de patrulha marítima”. Diz-se ainda “consultor da indústria aeronáutica” e formador no Centro de Tratamento ao Medo do Avião, instituição com sede em Paris, capital gaulesa.

Tyleman até publicou um texto sobre o assunto no blogue. Utilizou-o para dar conta que recorreu ao AvGeek, um fórum restrito a pilotos, especialistas e amantes da aviação, o qual utilizou para “trocar opiniões e colocar em hipóteses todos os cenários”. No mesmo texto, contudo, o antigo piloto realça que os destroços encontrados na Reunião “não significam que o MH370 tenha voado até tão longe”.

Resta colocar a segunda pergunta: porque foram enviadas as imagens a Xavier Tyleman? Não se sabe, já que o homem não o mencionou ao Daily Telegraph nem no texto que assinou no blogue. Numa mensagem que publicou esta quarta-feira na sua conta de Twitter, porém, Tyleman já se contradizia: “Não acredito que isto seja do MH370. A caixa do Boeing 777 parece mais fina do que a encontrada nos destroços.” Pelos vistos, alguém terá mudado de ideias.

Mais uma imagem intrigante

Entretanto, foi divulgada esta manhã, quinta-feira, mais uma imagem intrigante: continha restos de uma mala que terá sido encontrada também na Ilha Reunião, num local próximo daquele em que o pedaço de asa deu à costa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)