Banca

Português António Simões sobe a presidente do HSBC, um dos maiores bancos mundiais

3.807

Mais um banqueiro português na liderança de um grande banco londrino. António Simões, que se define "português gay, baixinho e careca" sobe a CEO do HSBC Bank em setembro.

ANDY RAIN/EPA

O português António Simões assume a 1 de setembro a liderança executiva do HSBC Bank, um dos maiores bancos do mundo, com sede em Londres. O banqueiro, que em entrevistas recentes disse que costuma definir-se como um “português gay, baixinho e careca”, já era líder da divisão britânica do banco e vai substituir Alan Keir no cargo de presidente.

António Simões, de 40 anos, tem um currículo de sucesso, comparável a poucos em Portugal. Passou pela McKinsey e pela Goldman Sachs, entrando em 2007 no HSBC. Foi em novembro de 2013 que foi promovido a presidente do banco HSBC no Reino Unido, liderando 50 mil pessoas e gerindo quatro mil milhões de dólares anuais de lucros.

Segundo contava o Público em 2013, é um Jovem Líder Global do Fórum Económico Mundial, organização não-governamental que todos os anos reúne milhares de líderes de todo o mundo em Davos para debater assuntos globais. E foi eleito o gay mais influente da área dos negócios pela rede OUTstanding numa lista publicada pelo Financial Times. António Simões é casado com um espanhol que trabalha na área da finança em Londres.

É também membro fundador do Conselho da Diáspora Portuguesa, associação que o Presidente da República apoiou, de forma a juntar portugueses que vivem e trabalham no estrangeiro e procuram credibilizar a imagem de Portugal no exterior.

Numa entrevista a Anabela Mota Ribeiro, feita há cerca de um ano, Simões mostrava-se crítico sobre alguns traços do país: “Temos um sistema que é meritocrático ao nível da educação; o problema é que isso não se transmite para o mercado de trabalho. [Em Portugal], um presidente de um banco deve ser uma pessoa de 55 anos, homem, straight, com três filhos. (Temos pessoas fantásticas em Portugal e temos outras que não são muito boas, não é um comentário acerca dos presidentes que temos…) Os CEO das grande empresas portuguesas são todos iguais.”

Foi o melhor aluno do seu curso de Economia na Universidade Nova, com média de 18. Depois, rumou a Nova Iorque para tirar o MBA na Columbia University. Aí, sentiu-se o “small boy in the big town“, mas foi a chegada a Londres que lhe causou mais impacto – “Em Nova Iorque toda a gente está a tentar ser um new yorker“. Na cidade britânica, com maior diversidade de culturas, entrou no banco Goldman Sachs. Depois, podia ter voltado para a McKinsey em Lisboa, mas decidiu ficar quando lhe disseram: “Não que era um nobody, mas que this is a big risk“.

É filho único, de pais divorciados ligados à banca, na área dos seguros. Teve uma infância “normal e feliz” e sabia que era homossexual. Mas até aos 19 anos não tinha tido “abertura para falar com a minha família, com os meus amigos. Havia o sentimento de I’m not good enough” e quis “provar que era good enough, que era suficientemente bom”.

Em Columbia, foi professor assistente “porque a base académica que tinha de Portugal, numa licenciatura em Economia, era superior a todos os meus colegas”. “A muitas pessoas, em Portugal, não lhes falta ambição, mas têm vergonha de a assumir”, disse António Simões na entrevista.

Em relação à sexualidade, não acredita que “o que se passa dentro de portas fica dentro de portas”. “Qualquer pessoa, qualquer CEO de uma empresa em Portugal, tem uma fotografia da mulher e dos filhos no gabinete. As pessoas sabem quem é a mulher e os filhos”, conta António Simões. “Qualquer pessoa quer saber quem somos como indivíduos, o que é que nos motiva, como é que pensamos.”

Reconhece que este é um aspeto como qualquer outro e fala. “Falo do Tomás [marido], dos meus dois labradores, das férias. Falo muito pouco sobre homossexualidade como tema, mas falo muito sobre o Tomás. Falo como qualquer outra pessoa fala. Estou a tentar desdramatizar. Isto é bom para o negócio porque precisamos de líderes autênticos que liderem de forma autêntica, com pessoas que os queiram seguir. Isso é uma grande parte da minha marca de autenticidade. Toda a gente já se sentiu em algum momento um outsider. Não é uma questão de maiorias ou de minorias.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)