Pelo menos dez pessoas foram mortas, esquartejadas e depois comidas por esta mulher russa de 68 anos. Tamara Samsonova cometeu os crimes de que é acusada nos últimos vinte anos, em São Petersburgo, mas só agora foi filmada por câmaras instaladas junto à sua casa a transportar o que parecia ser um corpo humano dentro de um saco de plástico.

Mais tarde, veio a saber-se que a última vítima era Valentina Ulanova, uma mulher de 79 anos de quem Tamara cuidava. As duas teriam discutido por causa de uns pratos por lavar, o que levou a criminosa a cortar Valentina em pedaços enquanto ainda estava viva. À semelhança do que aconteceria com os outros cadáveres, a criminosa retirou os pulmões dos corpos e não comeu as partes que não lhe agradavam, conta o Mirror.

Tamara Samsonova fazia descrições detalhadas das mortes num diário, escrito em russo, alemão e inglês. Numa das histórias que contava, referia-se ao marido que desapareceu há dez anos e cujo corpo nunca foi encontrado. Outra referência diz respeito a um inquilino chamado Volodia: “Cortei-o em pedaços com uma faca, pu-los em bolsas de plástico e atirei-os para zonas diferentes do bairro”, conta a mulher.

Os vizinhos dizem que Tamara era uma pessoa normal, amante do horóscopo e com bom coração. Hoje chamam-na de “pesadelo da rua Dimitrovka”. Quando foi apanhada pela polícia, mostrou-se mais preocupada com o que vão achar os vizinhos do que com o castigo em si, realça o El Mundo. Perante o juiz, disse: “Tenho-me preparado toda a vida para isto, durante décadas, fiz tudo deliberadamente. Não há maneira de viver, com este último assassinato fecho o capítulo. Ao fim e ao cabo sou culpada, mereço um castigo”.