Benfica

Operação Porta 18. A entrada da cocaína na Luz e a detenção de José Carriço

6.886

José Carriço, que chegou a diretor do Departamento de Apoio aos Jogadores do Benfica, foi detido pela PJ no final de julho por transportar 9,5 quilogramas de cocaína num veículo do clube encarnado.

Getty Images

José Carriço, referenciado como diretor do Departamento de Apoio aos Jogadores do Benfica, foi detido no final de julho, pela Polícia Judiciária, por transportar 9,5 quilogramas de cocaína num veículo do clube. O funcionário administrativo encontra-se neste momento em prisão preventiva. A notícia é avançada esta quinta-feira pelo Jornal de Notícias (JN).

A operação de buscas fazia parte de uma investigação maior da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) que já durava há 8 meses e que culminou nesta detenção, tendo passado publicamente despercebida. Durante este período foram realizadas ações de vigilância, tendo sido registadas em mais de uma dezena de ocasiões as entradas e saídas da Luz por parte de cidadãos colombianos, com o pretexto de se irem reunir com José Carriço. Estas movimentações faziam-se pela porta n.º 18 do estádio, que deu nome à operação.

José Carriço foi detido na A1 (autoestrada n.º1), estando acompanhado de um outro indivíduo num automóvel do clube da Luz. Foi então que os 9,5 quilogramas de cocaína foram apreendidos. Ao mesmo tempo em que decorria a detenção, estavam a ser realizadas buscas no gabinete do administrativo no Estádio da Luz por parte de investigadores da PJ.

Uma semana depois, foi emitido um comunicado pela autoridade policial a informar que a operação se destinava a “desmantelar um grupo organizado dedicado ao tráfico de cocaína” e que “a organização criminosa em causa, composta por indivíduos portugueses, dedicava-se à importação do produto estupefaciente para território nacional desde a América do Sul, por via aérea”. O documento da PJ revelou também que foram detidos dois indivíduos de 54 e 58 anos, que teriam sido sujeitos a prisão preventiva por ordem de um juiz de instrução criminal.

O diretor de comunicação do Benfica, João Gabriel, frisou na noite de quarta-feira ao JN que este é “apenas um problema da justiça com o cidadão José Carriço. Nada a ver com o Benfica”. Mesmo assim, para os investigadores da UNCTE e para o Ministério Público de Sintra, titular deste inquérito criminal, é preciso ter em consideração as escutas telefónicas realizadas durante a investigação que indicam que o administrativo ainda tinha funções de liderança no Departamento de Apoio aos Jogadores do Benfica e mantinha uma relação próxima com Luís Filipe Vieira, o presidente do clube encarnado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)