O regresso ao trabalho é como um choque térmico típico de um belo dia de praia. A diferença é que em vez de mergulharmos numa onda de água gelada, afogamos-nos numa rotina que vem acompanhada de ansiedade e stress. Sentamos-nos à secretária e voltam as dores musculares, a fadiga e até o cansaço ocular. A mente, essa, continua a pensar na praia, no sol e nas tardes de descanso a olhar para o vazio.

“É muito comum que o período pós-férias seja acompanhado por episódios de stress e ansiedade, uma vez que durante as férias não há horários rigorosos, não há prazos nem objetivos para cumprir”, conta Ana Peixinho, coordenadora da Unidade de Psiquiatria e Psicologia do Hospital Lusíadas Lisboa. Mas será que existe uma forma de amenizar este choque para que não seja tão doloroso? Ana defende que sim. “Uma forma de combater essa situação é deitar-se mais cedo nos dias anteriores ao regresso ao trabalho, de forma a entrar na rotina mesmo antes de regressar”, explica a especialista.

Depois das férias, deve respeitar a hora do almoço, evitar sair depois do horário de trabalho e garantir que tem tempo diário com a família e os amigos para o corpo se voltar a adaptar à rotina sem sentir falta da sensação de segurança e bem estar que as férias proporcionam. No primeiro dia “imediatamente após o regresso, as pessoas devem optar por realizar tarefas simples, como organizar a secretária e a caixa de e-mail e falar com os colegas sobre possíveis projetos que possam ter surgido durante o período de ausência”, diz Ana Peixinho. Há até quem opte por regressar das férias a uma quarta-feira, para uma semana laboral mais reduzida e, logo, com menor impacto.

Contudo, para além da questão psicológica associada a períodos de tensão e ansiedade que se traduzem em tristeza, irritabilidade, cansaço e alterações no apetite e no sono, existe a questão física. Falamos na importância da postura, da organização e até da própria decoração da secretária que pode influenciar a sua produtividade e bem estar no local de trabalho.

Passa o dia sentado? Levante-se

Ficar sentado muitas horas seguidas é prejudicial mesmo para uma pessoa que faz exercício ou que tem uma boa postura. A justificação é simples: as nossas articulações alimentam-se de movimento e, como tal, não é bom, a nível musculoesquelético, passar mais de 30 minutos sem nos levantarmos.

Para evitar dores musculares, levante-se para fazer um telefonema ou dê uns passos para encher uma garrafa de água. Para que não se esqueça destas pequenas pausas, pode optar por instalar uma aplicação como a Workrave que o obriga a fazer pequenos intervalos de 20 em 20 minutos e a levantar-se de hora em hora.

Previna o esforço visual e o cansaço ocular

Quantas horas passa em frente ao monitor? Aliás, só pode estar a ler este artigo no computador, tablet ou smartphone. Seja ardor, olhos vermelhos ou lacrimejar, estes são sintomas de cansaço ocular que podem originar dores de cabeça, tonturas e náuseas. “Durante a utilização do computador, a frequência de pestanejo é menor e o número de vezes em que a pálpebra superior não cobre completamente a córnea é maior do que durante a leitura em papel, o que aumenta a evaporação das lágrimas”, diz o médico oftalmologista António Sampaio.

Para desempenhar as tarefas diárias com o mínimo de esforço e desconforto para os seus olhos, deve “pestanejar regularmente de modo a minimizar a evaporação das lágrimas e utilizar lubrificantes oculares para aliviar os sintomas de olho seco”, acrescenta. Para o ajudar, existe a aplicação de computador EyeLeo que o obriga a fazer pequenas pausas, a cada dez minutos, com exercícios oculares, e longas pausas, a cada hora, em que desativa automaticamente o seu ecrã do computador por um tempo específico.

“No que toca ao monitor, este deve estar posicionado ligeiramente abaixo do nível dos olhos”, afirma o especialista. Já o ecrã deve ter um contraste adequado em relação à luz do local de trabalho. Para tal, existe o f.lux. Um software que adapta automaticamente a iluminação do fundo do computador à hora do dia. Mais quente à noite e mais fria durante o dia, para que nunca se destaque da luz ambiente.

O segredo passa pela postura

Manter uma boa postura é fundamental para desempenhar as suas tarefas diárias com o maior conforto possível e evitar dores musculares. “Deve sentar-se corretamente na cadeira sem cruzar as pernas e com os pés bem assentes no chão”, explica a médica osteopata Joraia Vieira. O ecrã do computador deve estar posicionado a uma distância superior a 50 centímetros de forma a que o topo do monitor se situe ao nível dos olhos.

https://twitter.com/PBCorpWell/status/633586672446246912

No caso de usar portátil, pode optar por usar um suporte de computador, mas atenção que há prós e contras. Por um lado, o teclado fica posicionado quase ao nível dos olhos e não o obriga a olhar para baixo. Por outro, não permite que o pulso se mantenha  num ângulo reto, sendo que este deve estar sempre à mesma altura dos cotovelos. Já o ecrã do computador deve ser limpo regularmente para melhorar a sua visibilidade e deve estar posicionado de forma adequada em relação às janelas e às fontes de luz artificiais para reduzir os reflexos e o encadeamento.

Se organizar a secretária vai ser mais produtivo

No primeiro dia de regresso ao trabalho, organize a secretária. O material de apoio, isto é, post-its, cadernos, o que precisar, deve estar o mais próximo possível do ecrã de computador para realizar apenas pequenos movimentos da cabeça e dos olhos à medida que muda o seu alvo de focagem do computador para o material. Mas não só. Para melhorar a sua produtividade no trabalho, teste a “The Pomodoro Technique“. Este é um método de gestão de tempo que utiliza um cronómetro para dividir o trabalho em períodos de 25 minutos apelidados de “pomodoros”. Desta forma, vai conseguir focar-se na tarefa a realizar sem distrações.

Ainda assim, um bom ambiente de trabalho é fundamental para o bem estar e a produtividade. Segundo um estudo publicado em 2013, a presença de plantas numa secretária melhora a concentração e a produtividade no trabalho. A responsável pela investigação afirma que uma pequena planta como um cato pode ter um grande impacto na motivação.

Por isso, da próxima vez que for às compras, olhe para o regresso ao trabalho com o mesmo entusiasmo com que um dia olhou para o regresso às aulas. Recupere a nostalgia e invista num colorido bloco de notas, numa boa caneta ou até numa planta cheia de vida. Vai ver que o regresso à rotina custa, mas irá custar muito menos.

Texto editado por Ana Dias Ferreira.