Uma aplicação que analisa informações do Instagram, outra que monitoriza o uso das aplicações dos ‘smartphones’ e o cruzamento de dados do Booking, TripAdviser e Twitter são os projetos finalistas do concurso mundial de ideias para medir o comportamento de turistas.

Segundo adiantou à agência Lusa fonte da The Lisbon MBA – principal entidade promotora do concurso ‘Tourism Innovation Competition’, com o apoio do Turismo de Portugal — estes três projetos vão ser apresentados no próximo dia 18 numa conferência na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, em que será ainda anunciado “o grande vencedor”.

No total, a competição recebeu 59 candidaturas válidas de 22 nacionalidades diferentes: Portugal, EUA, Índia, Alemanha, Brasil, Vietname, Suíça, China, Angola, Polónia, França, Israel, Itália, Croácia, Canadá, Turquia, Quénia, Gana, México, Inglaterra, Barbados e Alemanha.

A ideia vencedora irá receber um prémio de 10 mil euros ou uma bolsa para o The Lisbon MBA no valor de 18 mil euros, cabendo aos outros dois finalistas um prémio de dois mil euros cada.

Lançado em junho, o ‘Tourism Innovation Competition’ propôs-se encontrar formas eficientes de responder a várias questões na área do turismo, desde os locais mais procurados pelos turistas a quanto dinheiro gastam ou a como ocupam o tempo livre.

“A ideia surgiu na base de que não se consegue gerir o que não conseguimos medir”, explicou, na altura, à Lusa a diretora executiva do The Lisbon MBA, um programa de MBA (‘master of business administration’) realizado em conjunto pela Nova School of Business Economics, ligada à Universidade Nova de Lisboa, e pela Católica-Lisbon School of Business and Economics, da Universidade Católica.

Segundo Anabela Possidónio, “hoje em dia existe imensa informação disponível em redes sociais, mas não existe uma forma sistemática de a utilizar”. “São dados que traduzem imediatismo, o que as pessoas estão a sentir no momento”, acrescentou.

De acordo com os promotores do concurso, um dos projetos finalistas a apresentar no dia 18 é da autoria de Fabiana Baumann, uma profissional de Marketing e Comunicação de dupla nacionalidade (portuguesa/suíça), e de Rui Chagas, um engenheiro de telecomunicações português, propondo a criação de uma aplicação (‘app’) que recolhe e estuda, de forma simples, a informação das fotos publicadas na rede social de imagens Instagram.

O objetivo, explicam, é “analisar hora de publicação, localização, gostos, comentários e ‘tags’ (palavras-chave), entre outros dados, que podem ser trabalhados e usados por organizações ligadas ao turismo para fins estratégicos”.

Já o engenheiro informático João Ladeira e a estudante de Medicina Sílvia Silva, ambos portugueses, avançaram com a ideia de uma ferramenta que permite, através de um algoritmo de análise de sentimento, analisar e cruzar dados dos ‘sites’ de reservas Booking, de partilha de experiências sobre viagens TripAdvisor e da rede social Twitter.

Através desta solução, adiantou à Lusa a organização do concurso, “é possível medir os comportamentos e atividades dos turistas, mas também ter uma ideia da nacionalidade de cada turista e dos seus padrões de consumo”.

A terceira ideia finalista foi apresentada pelos israelitas Liora Goldman e Ilya Stolov e intitula-se ‘AppsMapper’, consistindo numa solução que permite aos turistas descobrirem ‘apps’ específicas para uma região ou ponto de interesse particular.

“A ‘AppsMapper’ permite fazer o ‘tracking’ anónimo da atividade de ‘mobile’ dos turistas, por análise estatística do uso de ‘apps’. Desta forma é possível saber quais as ‘apps’ mais populares, que locais são mais apelativos para os turistas e quanto tempo aí passam, qual o número de turistas que volta ao país e comparar estatísticas com as de outros países”, refere.