Rádio Observador

Planetas

Perdeu as superluas? Ainda vai ter mais outra oportunidade

209

Agosto, setembro e outubro formam uma sequência de três luas cheias na altura do perigeu - quando a Lua está mais perto da Terra. Aproveite as noites para ver também outros astros no céu.

A superlua de dia 27 de novembro, vista no Reino Unido

Matt Cardy/Getty Images

O eclipse já passou – o último de uma série de quatro –, as superluas ainda temos mais uma este ano, no dia 27 de outubro. A sequência de três superluas não é um fenómeno muito raro, mas ainda assim é digno de nota. Por isso, aproveite para ver nascer a Lua cheia no céu às 18h03 (hora de Lisboa) e deixe-se fascinar não só pelo facto de ser uma superlua, como pela ilusão de que a Lua é maior quando está perto do horizonte – mas é mesmo só uma ilusão.

Quando a Lua cheia coincide (ou quase) com o momento em que a Lua está mais perto da Terra durante a sua órbita (perigeu), temos uma superlua. Em outubro, a Lua cheia ocorre às 12h06 (hora de Lisboa) de dia 27 e o perigeu quase um dia antes, às 13h01 de dia 26, refere o Observatório Astronómico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (OAL). Setembro ganhou na espectacularidade do fenómeno porque o perigeu aconteceu com 66 minutos de diferença da Lua cheia, porque foi o perigeu mais curto do ano e, claro, porque a isto se juntou um eclipse.

Fases-da-Lua-outubro

Além da Lua veja Saturno nas noite de outurbo. O planeta de tom amarelado será o único planeta visível a olho nu no céu noturno. Aparece ao anoitecer, a sudoeste, na constelação de Balança. Se tiver um telescópio à mão, aproveite para procurar também, durante a noite, Úrano e Neptuno, na constelação de Peixes e de Aquário, respetivamente.

Pela manhã, e se tiver vontade de se levantar ainda antes do raiar do dia, conseguirá ver Vénus e Marte na constelação de Leão, a este, e mais tarde, na mesma constelação, mas a oeste, pode encontrar Júpiter. Também ao nascer do dia aparece Mercúrio na constelação de Virgem, a este.

planetas-horas_outubro

Se decidiu acordar cedo para ver Vénus e Marte antes do raiar da aurora, pode ter a sorte de ver também umas estrelas cadentes – da chuva de meteoros das Dracónidas – entre os dias 6 e 10. O máximo de atividade, desta chuva de meteoros que parece sair da constelação de Dragão, é dia 9 às 6h40 (hora de Lisboa), mas não se esperam mais de dois meteoros por hora. Com um período mais alargado, de 2 de outubro a 7 de novembro – máximo a 21 – e uma média de 20 meteoros por hora, terá a chuva de meteoros das Oriónidas, cujo radiante (ponto de onde parecem sair) é a constelação de Orionte.

Como tanto as Dracónidas como as Oriónidas são chuvas de fraca intensidade, para as observar aconselhamos evitar noites nubladas e a poluição luminosa das grandes cidades, e procurar um horizonte desimpedido”, aconselha o OAL.

As Dracónidas também são conhecidas por Giacobínidas devido ao cometa que lhes deu origem, o cometa 21P/Giacobini–Zinner. Este cometa é um visitante assíduo do sistema solar – volta a cada 6,46 anos – e foi detetado pela primeira vez no final de 1900.

Já as Oriónidas têm origem num dos mais conhecidos cometas que passam pelo nosso sistema solar: o cometa Halley. A última vez que o vimos foi em 1986 e não voltará antes de 2061. Até lá pode tentar ver a chuva de meteoros a entrar na atmosfera terrestre – poeiras e pedaços de rocha libertados pelo cometa e arrastados na pela sua cauda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)