Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Se um acordo à esquerda do Partido Socialista for a opção escolhida por António Costa, a sua direção está a ponderar levar a decisão final a referendo dentro do partido. Ou seja, todos os militantes vão ter a possibilidade de aprovar ou de chumbar um possível acordo com o Bloco de Esquerda e com o Partido Comunista.

Segundo notícia o Diário de Notícias, esta consulta está a ser vista como um referendo à própria liderança de Costa. Consulta esta que, de acordo com o mesmo jornal, terá sido ideia de Vítor Ramalho, dirigente histórico do PS, e apoiante de António Costa nas primárias contra António José Seguro.

No entanto, e segundo conta o jornal i na sua edição desta segunda-feira, Vítor Ramalho afirmou que “a direita tendo tido mais votos que o PS, deve governar”, cabendo ao Partido Socialista “fiscalizar fortemente” a ação do Governo.

Recorde-se que as direções bloquistas e socialistas vão encontrar-se esta segunda-feira. E, de acordo com o que conta o i, neste encontro entre as direções bloquistas e socialistas, Catarina Martins irá apresentar uma lista de medidas que quer incluir num futuro orçamento do PS. Sem avançar com outras medidas, o diário avança que Catarina vai propor a diminuição da taxa de IVA na eletricidade e no gás, de 23% para 6%.

O actual valor do IVA na energia resultou do acordo com a troika e, na altura, foi votado favoravelmente pelo Partido Socialista.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR