505kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Infografia. Um estaleiro chamado Lisboa. As obras dos próximos dois anos

Este artigo tem mais de 5 anos

Já houve obras na Praça do Comércio, na Ribeira das Naus, no Marquês de Pombal e outros sítios, mas a câmara ainda quer fazer muitas mais. O Observador faz um apanhado do que aí vem.

Os próximos dois anos serão de muitas mudanças na cidade
i

Os próximos dois anos serão de muitas mudanças na cidade

DOMINIQUE FAGET/AFP/Getty Images

Os próximos dois anos serão de muitas mudanças na cidade

DOMINIQUE FAGET/AFP/Getty Images

A face de Lisboa tem mudado significativamente nos últimos anos e a câmara municipal não quer ficar por aqui. Entre 2015 e 2017, altura em que há novas eleições autárquicas, são muitos os projetos que a equipa de Fernando Medina quer ver implemetados. Aqui está um mapa e a lista das obras que aí vêm.

Passe o cursor por cima dos pontos existentes em cada uma das freguesias para saber o que está planeado. Logo a seguir ao mapa há um apanhado das intervenções mais importantes.

Infografia de Milton Cappelletti

  • É já em outubro, garante a autarquia, que arrancam as há muito prometidas obras no Cais do Sodré, Corpo Santo e Campo das Cebolas — três espaços da frente ribeirinha que ainda não tiveram qualquer intervenção.
  • Também em outubro começa a ser construído o novo terminal de cruzeiros de Lisboa, próximo de Santa Apolónia. A obra deverá estar concluída lá para o fim de 2016.
  • Ainda para a frente ribeirinha está prometido o início da construção, já para este ano, de um pólo museológico relativo aos Descobrimentos. Em forma de nau, o novo espaço terá também uma galeria subterrânea e esplanada, embora não se conheçam para já muitos pormenores sobre o projeto.
  • No âmbito do programa Uma Praça em Cada Bairro, 31 espaços públicos da capital vão ter obras até 2017. As primeiras cinco empreitadas já foram lançadas: são para os Largos da Graça e de Santos, Rua de Campolide, Praça Duque de Saldanha e Picoas. A ideia da câmara é replicar o que já foi feito na Avenida Duque de Ávila, com a redução de faixas de rodagem, o aumento dos passeios, a criação de ciclovias e a promoção dos transportes públicos.
  • Aproveitando a boleia das obras no Saldanha e Picoas, a câmara quer igualmente requalificar as avenidas Fontes Pereira de Melo e da República, entre o Marquês de Pombal e Entrecampos. O projeto está envolto em alguma polémica junto da oposição e dos moradores da zona, mas a ideia é que as obras comecem já no início de 2016.
  • Também no horizonte próximo dos lisboetas estão as obras de pavimentação em 150 ruas até 2017. É capaz de ter reparado que os trabalhos já arrancaram em algumas zonas. Até ao fim de 2015 estão previstas 54 intervenções; em 2016 há 102 e, em 2017, mais 27.
  • Dos 70 bairros municipais de Lisboa, 21 deles vão ter obras de reabilitação mais ou menos profundas até 2017. Já este ano há trabalhos previstos para 16 desses bairros, como o do Condado, da Horta Nova e da Alta de Lisboa, onde são feitos os maiores investimentos. No bairro Padre Cruz, onde as intervenções já duram há vários anos, outubro é o mês do início da construção de mais 20 casas.
  • No próximo ano começa a construção de dois túneis de escoamento de águas, constantes da revisão do Plano Geral de Drenagem de Lisboa. Essas infraestruturas têm como objetivo reduzir o impacto das cheias na cidade. Um dos túneis, o mais importante, é especialmente longo: estender-se-á de Monsanto a Santa Apolónia. Apesar disso, a câmara garante que os trabalhos não vão afetar o trânsito à superfície.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.