Rádio Observador

Governo

Acordos da esquerda. Oito curiosidades das fotos que ajudam a contar o filme da aliança

Ninguém se sentou. Costa usou uma caneta vermelha, numa sala com simbolismo próprio. Jerónimo foi o primeiro, mas porquê? Estas e outras curiosidades do dia em que nasceu a aliança da esquerda.

Este é um extra para os mais atentos: Jerónimo de Sousa até a escrever é de esquerda

Jorge Ferreira

Autores
  • Miguel Santos Carrapatoso
  • Helena Pereira

A cerimónia foi curta, à porta fechada e numa sala com um simbolismo especial para António Costa. O acordo assinado à esquerda arrisca-se a ser um dos momentos históricos da democracia portuguesa, mas não durou mais do que 20 minutos. E, afinal por que razão António Costa, Catarina Martins, Jerónimo de Sousa e Heloísa Apolónia não se sentaram? Existem oito curiosidades que ajudam a contar o filme do nascimento desta aliança.

1 – Uma aliança no Tejo

A sala que serviu para a celebração dos três acordos que ajudaram a colar a aliança de esquerda não podia ter um nome mais simbólico: nada mais, nada menos, do que “Sala Tejo”.

Localizado no edifício novo da Assembleia da República, o espaço foi escolhido pelo Partido Socialista e herdou o nome do rio que atravessa a cidade de Lisboa. Precisamente, a mesma cidade onde o socialista foi obrigado a fazer alianças à esquerda e começou a consolidar a imagem de “construtor de pontes”.

2 – A razão pela qual Jerónimo foi o primeiro

Havia a expetativa de saber quem assinava primeiro o acordo com o PS. Uma das soluções possíveis era que fosse o partido com um maior grupo parlamentar dos três (o BE) a assinar primeiro. 

A solução foi, pois, diplomática: assinava primeiro quem primeiro tivesse ratificado o acordo junto dos órgãos de decisão dos partidos. E aqui há um detalhe curioso: apesar de os bloquistas terem sido, como é conhecido publicamente, os primeiros a anunciar o fecho do acordo com os socialistas, foram os últimos a aprová-lo junto dos militantes. O PCP aprovou o documento no comité central dia 9, mas o BE só teve passo idêntico segunda-feira à noite, esperando assim pelos comunistas. 

ssinatura de posição conjunta entre Partido Socialista e Partido Comunista Portugues; com Antonio Costa secretario geral do Partido Socialista; Jeronimo de Sousa secretario geral do Partido Comunista Portugues; Carlos Cesar; Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socilaista e João Oliveira; presidente do Grupo Parlamentar do Partido Comunista Portugues

assinatura de posição conjunta entre o Partido Socialista e o Partido Ecologistas os Verdes; com Antonio Costa Secretario Geral do Partido Socilaista; Heloisa Apolonia; membro da Comissão Executiva do Partido Ecologistas os Verdes; Carlos Cesar Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socilaista e Manuela Cunha; membro da Comissão Executiva do PEV

assinatura de posição conjunta entre o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda, com Antonio Costa Secretario Geral do Partido Socilaista, Catarina Martins , Porta-voz do Bloco de Esquerda Carlos Cesar Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socilaista e Jorge Costa, membro da Comissão Politica e vice Presidente do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, e Pedro Nuno Santos, vice Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socialista

Créditos: Jorge Ferreira/PS

 

3 – Fotógrafo oficial é socialista

As fotos do acordo foram registadas pelo fotógrafo oficial do PS. Minutos depois seguiram por email para o PCP, BE e PEV e também para a Lusa.

4 – A foto só existe para o PS e PEV

Momentos depois de os acordos terem sido assinados, o PS colocou no seu site oficial as três fotos dos três acordos históricos. PCP e BE, por seu lado, nem sequer usaram essas fotos. Se for aos sites destes dois partidos, verá ainda outras diferenças. O BE colocou o texto com o teor do acordo assinado na terça-feira, dia 11. O PCP não. Tem os comunicados do Comité Central e da Comissão Política sobre a posição do partido e o que levou a negociar com o PS, mas o documento assinado não está disponível. E a foto também não.

5 – Três assinaturas. 20 minutos

O momento foi histórico mas foi rápido. Em cerca de 20 minutos, estava tudo feito. Os partidos de esquerda nunca quiseram reunir ao mesmo tempo com o PS e, por isso, também não há uma única foto com os dirigentes dos quatro partidos todos juntos, mas isso também não significa que tenham estado em salas isoladas. No entra e sai da sala Tejo do PS, os negociadores cruzaram-se e houve sorrisos.

6 – Por que razão não se sentaram?

Mal as fotos foram divulgadas, os comentários nos corredores da Assembleia surgiram de imediato. E mesmo vindos dos grupos parlamentares que foram protagonistas da assinatura de acordos. Houve pouca pompa e circunstância, na verdade. Os líderes partidários nem se sentaram para assinar os papéis de uma forma mais confortável, nem mesmo as cadeiras foram afastadas para facilitar o ato. A própria sala, despida, vai ficar para a história. As prateleiras vazias de livros, o cabide ainda com etiqueta e a porta preparada para saída de emergência serão um bom prenúncio?

7 – Acordo assinado à porta fechada

Os corredores do Parlamento eram uma confusão de câmaras, jornalistas e assessores. As primeiras atrapalhavam os segundos, os segundos atrapalhavam os terceiros e os terceiros fugiam de ambos. Todos queriam saber quando iam ser assinados os acordos à esquerda, mas António Costa, Catarina Martins, Jerónimo de Sousa e Heloísa Apolónia preferiram celebrar a aliança longe dos olhares indiscretos dos media – daí, a escolha da Sala Tejo, no edifício novo da Assembleia da República. Depois de assinado o acordo, terça-feira à hora de almoço, então aí sim, um a um, os vários partidos foram fazendo chegar aos jornalistas a informação de que o documento estava fechado. 

8 – As testemunhas

Não foram só os líderes dos partidos que marcaram presença nas cerimónias. Catarina Martins fez-se acompanhar por Jorge Costa e Mariana Mortágua, bloquistas que se sentaram à mesa das negociações com o PS. Jerónimo de Sousa seguiu o mesmo critério e escolheu João Oliveira, líder parlamentar do PCP. Heloísa Apolónia escolheu Manuela Cunha, dirigente nacional de Os Verdes e uma das responsáveis pelas negociações com os socialistas. Ao lado de António Costa estiveram Carlos César, líder parlamentar do PS e presidente do partido, e Pedro Nuno Santos, deputado e um dos homens fortes de Costa nas negociações.

9 – A cor da caneta de Costa

António Costa escolheu uma caneta vermelha para fechar os acordos. Eram algumas as linhas vermelhas no documento, as negociações foram duras e, para muitos chegou, a acender-se a luz vermelha. E, bem, os partidos à esquerda do PS são, por natureza, vermelhos. Um detalhe que é isso mesmo: apenas um detalhe. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)