Omar Ismael Mostefai. Este é o nome de um dos terroristas responsáveis pelos atentados terroristas de Paris. O terrorista tinha mãe portuguesa e pai argelino. O homem, cidadão francês de 29 anos, foi encontrado morto nos escombros perto da sala de espetáculos Bataclan e foi identificado através das impressões digitais. 

Uma fonte oficial da Turquia disse ao The Guardian que as autoridades turcas enviaram dois avisos sobre o suicida bombista Omar Ismail Mostefai, em dezembro de 2014 e junho de 2015, mas que só receberam um pedido de informações sobre ele depois dos atentados em Paris.

A fonte oficial turca revelou que Mostefai entrou na Turquia em 2013, não existindo nenhum registo sobre o momento em que ele abandonou o país. Em 2014 o país recebeu um pedido de informações sobre quatro suspeitos de terrorismo, sendo que Omar Ismail Mostefai não estava entre eles.

“Não tivemos reações da França sobre o assunto”, disse o oficial. “Foi somente após os ataques de Paris que as autoridades turcas receberam um pedido de informações sobre Omar Ismail Mostefai”, acrescentou.

Ismael Mostefai é o irmão do meio de cinco irmãos. Trabalhava numa padaria, de acordo com um vizinho. Nasceu a 21 de novembro de 1985, em Courcouronnes, uma zona de subúrbio pobre de Paris — a cerca de 35 quilómetros da capital. Vivia na zona de Chartres.

Segundo a investigação da Polícia, Omar foi um dos terroristas que se fez explodir, causando a morte a 89 pessoas na zona do Bataclan. O homem tinha sido sinalizado como um alvo de alto risco da radicalização islâmica em 2010 mas nunca tinha sido “implicado numa investigação ou numa organização de terrorismo”, clarifica o procurador de Paris, Francois Molins. Omar já tinha registo criminal de oito condenações, mas sem pena de prisão. Os crimes foram cometidos entre 2004 e 2010, esclarece a Bloomberg. A polícia quer saber agora se Omar Ismael Mostefai esteve na Síria este ano. 

De acordo com informações mais recentes, Ismael terá estado na Síria em 2013 e regressado em 2009. A televisão francesa RFMTV mostra ainda o luso-descendente em imagens num vídeo rap de 2009.

“Era uma família normal, como outra qualquer. Ele brincava com os meus filhos. Nunca falava sobre religião. Era uma pessoa normal. Tinha alegria de viver. Ria-se muito”, contou o vizinho, que não quis ser identificado, ao The New York Times. 

Foram detidas seis pessoas da família do homem para interrogatório, entre as quais o pai e o irmão. Entretanto decorrem buscas na casa da família, bem como na casa de amigos. A informação foi avançada pela France Press que citou fontes judiciais e policiais. O irmão de Omar, no entanto, recusou ter contacto com o irmão: disse à AFP que não vê Omar “há anos”.