Rádio Observador

Tráfico Humano

PJ deteve 18 pessoas pela prática de crimes de exploração laboral e sexual

A Unidade Nacional Contra-Terrorismo da PJ deteve 18 pessoas, esta terça-feira, por tráfico de seres humanos, extorsão, lenocínio, falsificação de documentos e de associação criminosa.

A 'Operação Corda Bamba' ainda está a decorrer, com 28 buscas domiciliárias

TIAGO HENRIQUE MARQUES/LUSA

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, esta manhã, 13 homens e cinco mulheres pela prática de crimes de tráfico de pessoas, extorsão, lenocínio, falsificação de documentos e de associação criminosa, em vários distritos, comunicou a Polícia Judiciária. A notícia já tinha sido avançada pelo Correio da Manhã, que deu, contudo, conta de 20 detidos.

“A investigação permitiu desmantelar um grupo criminoso organizado, integrado maioritariamente por estrangeiros, que se dedicavam à angariação de trabalhadores, mediante a promessa de melhoria de vida das vítimas, que depois, exploravam através do recurso à violência, ameaça física e coação, bem como à exploração sexual de mulheres e à extorsão de outras pessoas”, lê-se no comunicado da PJ, acrescentando que “os crimes investigados ocorreram em vários distritos do território continental”.

A operação foi desencadeada na Zona Oeste (Torres Vedras, Óbitos) – incluindo prisões -, Litoral Alentejano (Odemira, Vila Nova de Milfontes e Santiago do Cacém) e Beja e Serpa e incidiu sobretudo sobre três blocos: tráfico de seres humanos para exploração laboral (trabalho agrícola), lenocínio (prostituição em zonas rurais) e extorsão de concidadãos que vieram trabalhar para Portugal através de outras organizações, apurou o Observador junto de fonte policial.

Os detidos, com idades entre 20 e os 63 anos, vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

No âmbito da operação ‘Corda Bamba’ “já foram identificadas mais de uma centena de vítimas e efetuadas diversas apreensões relacionadas com os crimes”, prossegue a PJ em comunicado, acrescentando que “a investigação irá prosseguir tendo em vista a identificação de outros potenciais elementos do grupo, bem como de outras vítimas”.

[Notícia atualizada às 18h00]

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)