Não é que Adele odeie a fama, simplesmente teme a ideia de ter os holofotes constantemente virados para si, o que talvez ajude a justificar o facto de a cantora ter ficado quatro anos sem editar qualquer álbum. O receio de ser sugada por esse universo, tal como já contou à Rolling Stone numa entrevista íntima, serve de motivo para que a interprete de Hello escolha manter o seu único filho longe das lentes fotográficas dos paparazzi, ao contrário do que fazem alguns casais mediáticos.

“Neste momento, ele pode escolher se quer um saco de batatas fritas ou uma banana, mas não pode tomar decisões sobre estar [ou não] na mira do público”, disse Adele sobre o filho Angelo, que nasceu em outubro de 2012. “Se quando tiver 16 [anos] quiser ser conhecido como o meu filho, pode fazê-lo. De qualquer forma, já é difícil ser-se criança, quanto mais o filho de uma pessoa famosa”, continuou, citada pelo Daily Star.

A contrariar essa forma de pensar está a família Beckham, uma das mais ricas do Reino Unido. O ex-jogador de futebol e a ex-cantora já permitiram que os filhos Romeo e Brooklyn, de 13 e 16 anos, respetivamente, se estreassem nas lides da moda ao posarem enquanto modelos para campanhas publicitárias e capas de revistas. Aliás, não há semana em que o nome de Brooklyn não apareça publicado nos tablóides britânicos que, a pouco e pouco, começam a contagiar o resto da imprensa internacional. 

O cenário descrito não tem limitação geográfica e também chega ao solo norte-americano. Foi com apenas quatro anos que a pequena Vivienne Jolie-Pitt, filha de Angelina Jolie e Brad Pitt, deu os primeiros passos na indústria do cinema, ao contracenar com a mãe no filme Maléfica (2014). Quase dez anos antes era a vez de um também mínimo Jaden Smith representar ao lado do pai, Will Smith, na película Em Busca da Felicidade. Atualmente, tanto Jaden como a irmã Willow são nomes e figuras conhecidas do público em geral e ainda há um ano eram muito falados a propósito de uma entrevista polémica, non-sense q.b, dada ao Washington Post.

Nesta demanda pelas pisadas de pais famosos juntam-se mais nomes, até porque em abril deste ano era notícia que Lily-Rose Depp ia contracenar com o pai, o norte-americano Johnny Depp, em Yoga Hosers. Mas ao contrário do que possa parecer, Depp não está contente com a rápida ascensão da jovem adolescente ao estrelato. Ela que aos 16 anos de idade já é uma modelo cobiçada por nomes tão poderosos como Karl Lagerfeld. “O que se está a passar com a Lily-Rose é algo que não esperava que acontecesse tão cedo, isso é certo”, admitiu o protagonista dos filmes da saga Os Piratas das Caraíbas ao Daily Mail.

“Agora, ela posa para Karl Lagerfeld. Quando a vejo maquilhada é quando fico preocupado. Ela é uma rapariga linda e está tudo a acontecer muito rápido. Não há nada que eu possa fazer para a impedir. Não importa o quanto cresça, nunca vou deixar de me preocupar com ela. É uma coisa de pai e filha”, continuou. Depp admitiu ainda que não queria que a também filha da cantora Vanessa Paradis seguisse a carreira de atriz, “mas é o que lhe dá gosto fazer”.

Crescer numa era cada vez mais mediatizada tem as suas dificuldades, sobretudo quando alguns membros da família estão constantemente debaixo do olho clínico da imprensa. E não há melhor exemplo disso do que a família Kardashian, com o reality show a dar tempo de antena ao dia-a-dia de pais e filhas (e respetivos dramas). E o que hoje é notícia sobre Kendall e Kylie Jenner amanhã poderá ser sobre a pequena North West (filha de Kim Kardashian West).