Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 2008 era provável que alguém lhe perguntasse numa rua de Nova Iorque “Do I look good naked?” (fico bem nua?). É que na altura estava no ar o programa conduzido por Carson Kressley, How To Look Good Naked, que queria mostrar às mulheres como confrontarem-se com a sua própria nudez proporciona uma visão mais fiel do seus corpos e aumenta a auto-estima.

As participantes eram mulheres com muita vergonha do próprio corpo e que se recusavam a estar nuas em frente aos companheiros ou até sozinhas. No final de cada episódio, depois de uma sessão fotográfica em nus artísticos, com véus e sombras que garantiam o caráter apenas pedagógico do programa, as imagens da participante nua eram projetadas em grandes edifícios da cidade. Iam pela rua e perguntavam a quem passasse se ficavam bem nuas e as reações eram sempre as melhores.

Para além da auto-estima, do à vontade e do auto-conhecimento do corpo que Carson prometia sempre, estes são outros cinco benefícios de andar nu, sem véus, sombras ou fins apenas pedagógicos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

1. As roupas são um ninho para os bichos

Por um lado são sinais de civilização e afastam-nos sem dúvidas de todas as outras espécies. Por outro, as roupas podem aproximar-nos de outros bichinhos. Um estudo da Universidade de Reading, com o título expressivo A naked ape would have fewer parasites, (um macaco nu teria menos parasitas) lembra que o inseto que transmite a doença de Lyme se agarra facilmente à lã das camisolas e que os piolhos se alojam rapidamente nos fatos de banho. A roupa que usamos pode ser um viveiro de fungos e bactérias nocivas e favorecer infeções e micoses. A tese do estudo é precisamente a de que a espécie foi perdendo pelo na sua evolução para reduzir estes incidentes. O que estamos a contrariar, em teoria, se usamos roupa.

Além disto, é preciso arejar, simplesmente. Manter a pele numa espécie de estufa pode significar a reabsorção das toxinas libertadas com a transpiração.

2. Aumenta a fertilidade

No caso masculino, a roupa interior pode aumentar a temperatura dos testículos (que deve ser inferior à temperatura corporal) e assim afetar a produção de esperma. Além disto, a roupa apertada reduz a circulação sanguínea na zona púbica o que, a pouco e pouco, mata recetores sensoriais. No caso das mulheres também se prefere roupa interior de algodão não muito justa para que não se crie um ambiente quente e húmido propício ao desenvolvimento dos fungos vaginais.

3. Permite apanhar sol sem as marcas do biquíni

Não se trata do efeito estético de um bronzeado total, sem marcas do fato de banho. Nem sequer se pede que a pele mude de cor. Mas já se sabe que é no contacto da pele com o sol que o corpo produz vitamina D. É passear por casa, sem roupa, uns 10 ou 15 minutos por dia, de estores abertos. Esqueça as janelas indiscretas (mas não o protetor solar), que isto é pela saúde: a falta da vitamina D encontra-se em doentes de cancro, doenças cardiovasculares, osteoporose e diabetes. Nos Estados Unidos, por exemplo, (com todas as diferenças culturais e climatéricas), cerca de 75 % da população vive com défice desta vitamina.

4. É sinal de uma mente mais aberta

Em 2008, um estudo da Universidade Central da Florida entrevistou mais de 300 alunos desta faculdade e concluiu que aqueles que praticam nudismo e são a favor destas práticas convivem melhor com diferenças étnicas, culturais e religiosas e com a homossexualidade.

Além disto, outros estudos também norte-americanos demonstram que os nudistas convivem melhor com o próprio corpo e que os adolescentes que estão habituados a conviver nus “são mais socialmente ajustados, felizes e reflexivos”.

5. Permite dormir como um anjo

Alguns estudos associam as insónias a uma temperatura corporal demasiado alta, quando o sono é um momento em que a temperatura do corpo deve descer. Uma experiência holandesa vestiu pessoas com fatos que baixavam a temperatura do corpo menos de um grau e concluiu que os participantes não acordaram durante a noite e tiveram períodos de sono profundo mais longos.

Ir para baixo dos lençóis tal como se veio ao mundo pode ainda ajudar a perder calorias, estimular a circulação do sangue e aumentar a intimidade com o parceiro.