O presidente do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa, foi constituído arguido no âmbito da Operação Fénix, por alegadamente ter recorrido a segurança ilegal, noticiou a TVI24. No centro desta operação está a empresa de segurança S.P.D.E., suspeita de fornecer serviços de segurança à margem da lei e de associação criminosa.

O caso está a ser investigado pelo Departamento de Investigação Criminal de Lisboa. Desde julho estão presas preventivamente 13 pessoas, incluindo Eduardo Santos Silva, dono da S.P.D.E. e o primeiro a ser detido. Os detidos são suspeitos de associação criminosa, coação, instrução agravada, segurança ilegal, favorecimento pessoal e posse de arma.

O vice-presidente do FCP, Antero Henrique, também foi constituído arguido por haver indícios de recorrer aos serviços da S.P.D.E..