Rádio Observador

Cimeira do Clima 2015

Manifestações nas ruas de Paris. Quercus pede mais

Arco do Triunfo e Torre Eiffel são palco de manifestações contra os resultados da cimeira do clima. Quercus reage à proposta de acordo: aplaude mas pede mais. Portugal tem de rever política energética

ETIENNE LAURENT/EPA

Enquanto, dentro de portas, as delegações das quase duas centenas de Estados discutem a proposta final do acordo saído da Cimeira do Clima, nas ruas de Paris multiplicam-se as manifestações convocadas por organizações não-governamentais contra os resultados da conferência, considerados insuficientes para combater o aquecimento global.

A Quercus é uma das ONG presentes e, ao Observador, afirma que, apesar de o acordo dar um “sinal claro para a transição energética baseada em energias renováveis”, ainda é preciso fazer mais. Portugal, em particular, terá de rever a política climática e energética para poder cumprir os objetivos traçados.

Um dos principais eventos, adianta a Quercus em comunicado, teve lugar perto do Arco do Triunfo, onde os manifestantes, na sua maioria vestidos de vermelho, usaram uma faixa gigante com mais de 100 metros e desenharam linha vermelha com túlipas e chapéus-de-chuva ao longo da avenida.

Outra das manifestações prevista para esta tarde tem como objetivo formar uma cadeia humana entre a Torre Eiffel e o monumento ‘Muro da Paz’, situado no outro extremo do Campo de Marte. A iniciativa “estado de emergência climática” deverá juntar alguns milhares de participantes numa ação “pacífica e determinada”, explica a Quercus, que também estará presente.

De acordo com a agência Lusa, um responsável da polícia de Paris, Michel Cadot, lembrou ainda assim que as manifestações estão proibidas pelo estado de emergência, mas reconheceu que três delas seriam toleradas, anunciando o envio de cerca de 2 mil polícias para impedir atos de violência, como os que tiveram lugar há cerca de duas semanas, por ocasião da abertura da COP21, que termina hoje em Paris.

Quercus: Portugal precisa de rever política para cumprir objetivos

Numa primeira reação ao acordo que deverá ser conseguido, dentro de poucas horas em Paris, a Quercus congratulou-se pelo facto de dar um “sinal claro” para a transição energética assente nas energias renováveis, e por limitar a temperatura do planeta a 1,5 graus centígrados em relação à era pré-industrial, mas sublinha que é preciso fazer mais e que Portugal, em particular, tem de rever os seus compromissos.

Estes novos objetivos enviam um sinal forte a todo o mundo de que a transição dos combustíveis fósseis para 100% de energias renováveis precisa de acontecer muito mais depressa e a uma escala muito maior”, afirma a associação ambientalista em comunicado, aplaudindo também o objetivo de reduzir para zero as emissões líquidas na segunda metade do século.

Mas se, por um lado, “todos os países acordaram neste caminho de eliminação gradual dos combustíveis fósseis”, para a Quercus os vários países “falharam no avanço comum para esse objetivo”. Uma das principais falhas apontadas por aquela associação ambientalista é o facto de os compromissos nacionais já apresentados sobre estas matérias não terem de ser revistos antes de 2020, mesmo sabendo que as metas atuais de redução das emissões “não são suficientes para lidar com um aumento de temperatura que se pretende que seja ainda menor do que 2ºC”.

Portugal, como os restantes países, “terá de rever a sua política climática e energética” para cumprir os novos objetivos de limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus. Para a Quercus, isso passa por “rever a meta das energias renováveis”, acreditando ser possível atingir os 100% de eletricidade renovável em 2030; por acelerar a reabilitação urbana “com requisitos ambiciosos de eficiência energética” e por “rever a política de mobilidade com a promoção clara dos transportes públicos nas médias e grandes cidades, em detrimento da utilização do transporte individual”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)