Rádio Observador

Evolução Humana

Genes de Neandertal. Maior resistência, mas mais alergias

Quando o homem vindo de África chegou à Europa e à Ásia, já os humanos que por cá andavam se tinham adaptado ao ambiente. Os genes que nos passaram estimularam o sistema imunitário.

O homem de Neandertal (representado na imagem) e os homens modernos tiveram descendência juntos

PIERRE ANDRIEU/AFP/Getty Images

Não há bela sem senão. As relações ocasionais entre o homem moderno (Homo sapiens) e o homem de Neandertal (Homo neanderthalensis) – homens e mulheres, está claro – deixaram-nos uma herança especial: os genes dos homens primitivos tanto tornaram o nosso sistema imunitário mais eficaz a combater determinadas infeções, como nos podem ter tornado mais propensos a sofrer de alergias, noticiou o Guardian.

As doenças e os micróbios que as causam (agentes patogénicos) estão entre as mais importantes forças seletivas durante a evolução humana, refere a equipa de Janet Kelso, investigadora no Instituto Max Planck para a Antropologia Evolutiva (Alemanha), num artigo publicado na American Journal of Human Genetics. “Os Neandertais viveram na Europa e Ásia ocidental durante mais de 200 mil anos e estavam provavelmente bem adaptados ao ambiente e agentes patogénicos locais.”

As mutações que permitem aos indivíduos aumentar a taxa de sobrevivência perante uma adversidade, como uma doença, são um dos mecanismos mais importantes na evolução, mas o processo é lento. A reprodução entre um indivíduo com a mutação e outros com ou sem mutações torna o processo de evolução muito mais rápido. E terá sido assim que, tanto Neandertais como Denisovanos (outro dos nossos primos primitivos), garantiram que os seus genes resistentes à adversidade ficassem conservados no genoma dos homens modernos.

Não estamos a falar de um gene, mas de três, bem representados nos humanos modernos e que atualmente estão associados à redução da prevalência de Helicobacter pylori, uma bactéria que ataca o sistema digestivo, e ao aumento da suscetibilidade às alergias. Isto sugere que estes genes “podem ter melhorado a vigilância inata do sistema imunitário e reatividade contra certos agentes patogénicos, mas também podem ter aumentado a hipersensibilidade a alergénios não-patogénicos, resultando nas doenças alérgicas nas pessoas hoje em dia”.

“[Estes genes] podem ter aumentado a nossa suscetibilidade, mas não chegaria ao ponto de dizer que os Neandertais nos deram as alergias”, concluiu Janet Kelso, citada pelo Guardian.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)