503kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Morreu António Almeida Santos

Este artigo tem mais de 5 anos

O presidente honorário do PS, morreu esta segunda-feira. Funeral realiza-se quarta-feira no cemitério do Alto de S. João. Corpo em câmara ardente na Basílica da Estrela a partir desta terça à tarde.

i

Álvaro Isidoro / Global Imagens

Álvaro Isidoro / Global Imagens

Morreu António Almeida Santos, aos 89 anos. O presidente honorário do PS e ex-Presidente da Assembleia da República morreu durante esta segunda-feira depois de este domingo ter aparecido em campanha eleitoral já visivelmente engripado. O funeral realiza-se quarta-feira no cemitério do Alto de S. João.

Segundo fonte da família, citada pela agência Lusa, Almeida Santos faleceu na sua casa, em Oeiras, pouco antes das 00h00. Sentiu-se mal após o jantar e foi ainda assistido em casa, mas não resistiu. O corpo do fundador do PS estará em câmara ardente na Basílica da Estrela, em Lisboa, a partir desta terça-feira à tarde mas não haverá cerimónia religiosa, a pedido do próprio.

A notícia foi confirmada pelo atual presidente dos socialistas, Carlos César, que mostrou a sua tristeza pela morte de António Almeida Santos. A última vez que apareceu em público foi este domingo numa ação de campanha de Maria de Belém. Durante o discurso disse que a candidatura “revolucionou” a corrida presidencial e que representa um grande passo para as mulheres. “Já devia ter sido escolhida uma mulher há mais tempo“. E, se não for desta vez, será seguramente nas próximas eleições, atirou o socialista.

Almeida Santos nasceu a 15 de fevereiro de 1926, em Cabeça, Seia. Licenciou-se em Direito na Universidade de Coimbra,  estabelecendo-se em Moçambique até ao 25 de abril, tendo regressado para participar ativamente na democracia portuguesa. Foi ministro da Justiça do I governo constitucional e ministro de Estado e da Justiça entre entre 1983 e 1985. Foi aliás ministro depois de ter tido um papel fundamental na revisão da Constituição de 1982.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Foi sempre uma figura de referência da democracia portuguesa em geral e do Partido Socialista em particular, tendo desempenhado funções como presidente do PS entre 1992 e 2011. Foi depois substituído por Maria de Belém, que apoiava nestas eleições. Ficou depois dessa data com o título de Presidente honorário.

Carlos César já deixou no Facebook uma nota pessoal de despedida.

Em pouco tempo morreram dois amigos -Pedro Coelho e António Almeida Santos. Ao Pedro devo uma amizade fraternal e uma...

Publicado por Carlos César em Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2016

O primeiro-ministro também já fez questão de manifestar profunda tristeza pela morte do presidente honorário do PS, que considerou um dos grandes legisladores da construção do Estado de Direito democrático e um dos obreiros da descolonização. António Costa, também secretário-geral do PS, falava aos jornalistas à chegada à capital de Cabo Verde, Praia, logo após tomar conhecimento da morte do antigo presidente da Assembleia da República e ministro de Estado do Governo liderado por Mário Soares (1983/1985).

“Estou perante a perda de uma grande amigo, de um camarada, alguém com uma extraordinária vitalidade. Ainda no domingo todos o pudemos ver a discursar no apoio à candidatura presidencial de Maria de Belém”, começou por declarar o primeiro-ministro. António Costa caracterizou depois António de Almeida Santos como “um homem extraordinário, um dos grandes legisladores que construiu o Estado de Direito democrático após o 25 de Abril de 1974, um dos obreiros da descolonização e um homem que ao longo de toda a sua vida pública – como deputado, como membro do Governo, presidente da Assembleia da República, ou presidente do PS – deu sempre tudo do melhor que sabia e tinha ainda tanto para dar à democracia e às ideias em que acreditava”.

“É com enorme tristeza que soube do seu falecimento. António Almeida Santos era das pessoas que nos levava a acreditar que havia vida eterna na terra. Era um miúdo quando comecei a ouvir Almeida Santos a falar na televisão e fez parte do meu crescimento e de toda a minha formação. É com profunda tristeza que o vejo partir”, acentuou o líder do executivo. O primeiro-ministro enviou depois “um abraço a todos os socialistas, que estão neste momento a sofrer com muita pena, mas também à sua mulher, filhos e netos”. E acrescentou: “É uma amizade que eternamente manteremos com António de Almeida Santos”.

Almeida Santos era uma reconhecida figura de peso no partido até pelo seu papel ao longo dos anos e pela sua influência política. Primeiro como dirigente de todo do partido e presidente, mas também nos longos anos em que desempenhou o papel de Presidente da Assembleia da República (de 1995 a 2002). Almeida Santos foi ainda um homem apaixonado pelo fado de Coimbra e contam-se 25 obras publicadas com o seu nome.

Não foi ainda possível recolher outros testemunhos. O Observador questionou no entanto as candidaturas à Presidência da República sobre a campanha eleitoral, até agora a única informação disponível é que Sampaio da Nóvoa e Marcelo Rebelo de Sousa mantêm para já as ações de campanha. Esta terça-feira é aliás dia de debate com os dez candidatos presidenciais.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.