Rádio Observador

Caso Bial

Bial: causas da morte em ensaio clínico por apurar

Luís Portela afirma que ainda não são conhecidas as causas da morte de um indivíduo que se submeteu a um ensaio clínico. E realçou que a empresa cumpriu todas as normas.

ESTELA SILVA/LUSA

O ‘chairman’ da Bial, Luís Portela, disse esta quarta-feira que ainda não se conhecem as causas da morte de um voluntário que participou, em França, num ensaio clínico da empresa e que esta cumpriu todas as normas.

“Até hoje não sabemos, não conhecemos as causas” da morte, no domingo, de um voluntário que participou num ensaio clínico da farmacêutica, em França, disse Luís Portela, que falava aos jornalistas, hoje, em Coimbra, depois de ter sido distinguido com o título de doutor ‘honoris causa’ pela Universidade de Coimbra.

“Temos consciência de que, pela nossa parte, fizemos tudo dentro das boas regras, dentro das boas normas, cumprindo tudo direito; temos consciência de que os ensaios pré-clínicos, toxicológicos, que tudo foi conduzido da melhor maneira e sem aparecer nada que indicasse uma coisa destas. Nada”, sublinhou o chairman da empresa.

Aos “cerca de cem primeiros voluntários envolvidos” nos ensaios “nada aconteceu” e, “agora, de repente”, surgiu esta situação, acrescentou o presidente da Bial, vincando que ainda não se conhece o que poderá ter acontecido e que o caso está a ser averiguado “com todo o rigor”.

“Naturalmente que parámos a investigação com esta molécula”, disse Luís Portela, adiantando que farmacêutica só decidirá se vai ou não prosseguir esse estudo, depois de se saber o que se passou: “Estamos afincadamente a procurar saber”, designadamente em colaboração com as autoridades francesas.

Na semana passada, seis voluntários, entre os 28 e os 49 anos, foram hospitalizados depois de terem participado no ensaio clínico de Fase 1 para a Bial, que testava uma nova molécula, com atuação a nível do sistema nervoso central, com efeitos provavelmente como analgésico ou a nível de alterações de humor.

Um dos voluntários que participou no ensaio de medicamentos, conduzido por um laboratório privado em França para a farmacêutica portuguesa, faleceu no domingo.

Questionado pelos jornalistas se entende que o caso vai deixar marcas na empresa, Luís Portela afirmou que nem ele, nem a Bial estão “focados nisso”.

“Lamentamos profundamente o que aconteceu, profundamente. Perdeu-se uma vida e isso é absolutamente trágico”, disse Luís Portela.

“Estamos focados em procurar recuperar, em apoiar a recuperação total” dos restantes cinco voluntários que foram internados – um dos quais teve alta clínica na terça-feira.

Sobre o título que lhe foi atribuído pela Universidade de Coimbra (UC), Luís Portela afirmou sentir “uma enorme honra” e que nunca imaginou que “a mais antiga universidade portuguesa e uma das mais antigas da Europa e do mundo” o distinguisse deste modo.

O grau de ‘honoris causa’ foi-lhe atribuído por proposta da Faculdade de Farmácia da UC, que sublinha as “características humanas e nível científico” do homenageado e a “relevância profissional” e a “excelente integração no mundo empresarial farmacêutico”.

“Nome incontornável no panorama nacional e internacional da indústria farmacêutica”, Luís Portela “começou por dirigir [aos 27 anos de idade] uma empresa colocada na 53.ª posição do ‘ranking’ das companhias farmacêuticas nacionais a operar em Portugal” e que três décadas depois é “a primeira empresa farmacêutica internacional de origem portuguesa, tendo expandido as suas atividades a cerca de 40 países”, salientou, durante a sessão, Amílcar Falcão, vice-reitor da UC, que apresentou o homenageado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)