Genética

Estudo revela que há órgãos que envelhecem mais cedo do que outros

Cientistas portugueses descobriram que há órgãos como o intestino que envelhecem mais cedo, devido ao ritmo acelerado dos "relógios moleculares" das células, que leva ao aparecimento de lesões.

KAREN MINASYAN/AFP/Getty Images

Cientistas portugueses descobriram, numa experiência com peixes-zebra, que há órgãos como o intestino que envelhecem mais cedo, devido ao ritmo acelerado dos “relógios moleculares” das células, que leva ao aparecimento de lesões.

O trabalho, conduzido por investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), foi publicado na revista PLOS Genetics.

Os “relógios moleculares” das células são os telómeros, as pontas dos cromossomas que asseguram que não há perda de qualquer material genético durante a divisão celular num tecido ou órgão como o intestino, o músculo, o sangue ou os rins.

Acontece que, com o avançar da idade, os telómeros, estruturas protetoras do genoma (código genético), vão encurtando, em resposta às contínuas divisões de células, expondo, assim, o genoma a danos.

Para manterem um tamanho normal, as extremidades dos cromossomas teriam de ser alongadas pela enzima telomerase. Só que a maioria das células do corpo “desliga esta enzima” no momento em que uma pessoa nasce, esclarece o IGC em comunicado.

A equipa coordenada por Miguel Ferreira Godinho descobriu que os telómeros, além de encurtarem mais depressa nuns órgãos do que noutros, mais no intestino do que no músculo, por exemplo, fazendo com que envelheçam mais cedo, também “acumulam danos no ADN”, quando curtos, levando ao aparecimento de lesões nas células, disfuncionalidades nos órgãos e tecidos.

“Identificámos tecidos-chave onde o encurtamento dos telómeros se torna realmente limitante para o funcionamento dos órgãos numa idade avançada”, afirmou o investigador do IGC, citado num comunicado da instituição.

O estudo pretende verificar, numa próxima etapa, se ao se “expressar atempadamente” a enzima telomerase em órgãos específicos, como o intestino ou o músculo, é possível “evitar a disfunção do tecido e reverter a incidência de doenças do envelhecimento, nomeadamente o cancro”, assinalou Miguel Ferreira Godinho na mesma nota.

Para a investigação, a equipa partiu do peixe-zebra. Porquê? Porque “os telómeros do peixe-zebra são do mesmo tamanho do dos humanos”, explicou à Lusa Madalena Carneiro, que faz parte da equipa.

Os cientistas mediram o tamanho das pontas dos cromossomas nos testículos, sangue, intestino, músculo e rins de cadáveres de peixes com diferentes idades, desde o estado larvar até ao adulto com um ano e ao idoso com três anos.

As medições foram comparadas com as obtidas com peixes modificados geneticamente, aos quais propositadamente foi-lhes reduzido, numa fase mais precoce, o tamanho dos telómeros para um estado crítico.

Madalena Carneiro sublinhou que os peixes com mutação genética revelaram mais cedo, com 1 ano, disfunções nos órgãos, como inflamação intestinal e degeneração das fibras musculares, do que os peixes mais velhos, com 3 anos, que evoluíram sem essa mutação.

Em geral, os peixes mais velhos têm telómeros mais curtos e lesões em órgãos específicos.

“O envelhecimento predispõe os organismos a desenvolverem várias doenças, como as cardiovasculares e o cancro (…). Queremos identificar os mecanismos biológicos que promovem o envelhecimento, porque isso pode auxiliar no tratamento das doenças associadas ao envelhecimento”, frisou a investigadora. Um desses mecanismos é, precisamente, o encurtamento das extremidades dos cromossomas que a equipa do Instituto Gulbenkian de Ciência está a estudar.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)