Já todos ouvimos falar de Conímbriga, mas o nome Aeminium pode levantar mais dúvidas. Tratava-se de uma antiga cidade na área de Coimbra, datada da época romana, que terá mesmo sido a residência oficial dos monarcas D. Henrique e D. Teresa e que pode também ter sido o local de nascimento do primeiro Rei de Portugal, D. Afonso Henriques, segundo a Vortex Mag.

A primeira referência à existência de Aeminium surge no itinerário de Antonino, um itinerário que procurava fixar os pontos de passagem das vias romanas no mapa de Portugal. O mapa, que terá sido publicado no início do século III, situava a cidade de Aeminium a cerca de 16 quilómetros a norte de Conímbriga, segundo relata o website do Museu Nacional Machado de Castro (MNMC). Tanto Aeminium como Conímbriga eram atravessadas por uma estrada romana, que ligava Olisipo (nome dado pelos romanos à atual Lisboa) a Bracara Augusta (atual cidade de Braga).

De Aeminium, hoje em dia, restam apenas vestígios. O mais relevante é um antigo criptopórtico romano (uma galeria subterrânea em forma de abóbada) de dois pisos, que pode atualmente ser visto no MNMC, em Coimbra.

O criptopórtico, que o website do MNMC descreve como sendo “o melhor edifício da época romana conservado em Portugal”, e que o jornal espanhol ABC classificou em 2009 de “um dos vestígios mais importantes da cidade” de Coimbra, suportava o fórum de Aeminium, onde decorriam as reuniões das principais forças da ube (autoridades religiosas, políticas e administrativas) da cidade.

O Museu Nacional Machado de Castro criou mesmo uma reconstrução em 3D do antigo criptopórtico, que pode ser vista abaixo:

A antiga cidade, explica ainda a Vortex Mag, cresceu no século V d.C., mais precisamente entre os anos 465 e 468 d.C., quando a cidade vizinha de Conimbriga foi saqueada e destruída pelos Suevos, um grupo de povos germânico que dominou parte da Península Ibérica entre os anos 409 e 585 d.C.

Perante a invasão dos suevos, muitos habitantes de Conímbriga instalaram-se em Aeminium, uma cidade que anteriormente funcionava como capital de civitas, isto é, como sede de uma divisão político-administrativa do território conimbrense. Com a deslocação dos anteriores habitantes de Conímbriga o número de habitantes de Aeminium aumentou, levando ao seu crescimento e a uma maior prosperidade. Esse crescimento acabou por originar a mudança de nome de Aeminium: no século VI passou a Coimbra, uma outra Coimbra que hoje podemos apenas estudar e observar as ruínas.