As “mulheres que influenciaram os papas” e “o papa implacável que transformou Roma” são alguns dos temas abordados no livro póstumo de Luís Miguel Rocha, “Curiosidades do Vaticano”, que é publicado no dia 18, anunciou esta quinta-feira a Porto Editora.

“Cumprindo a vontade do autor, a família e a Porto Editora anunciam a publicação, a 18 de fevereiro, de um livro inédito de não-ficção, da autoria de Luís Miguel Rocha, intitulado ‘Curiosidades do Vaticano'”, afirma a editora em comunicado.

Luís Miguel Rocha, autor do “best-seller” “O último papa”, início de uma tetralogia centrada no Vaticano, morreu no dia 26 de março do ano passado, aos 39 anos, em Mazarefes, Viana do Castelo.

O autor estreou-se na ficção em 2005, com “Um país encantado”, um romance com Portugal do Estado Novo, em pano de fundo.

Entretanto, o autor foi contactado por uma “fonte eclesiástica”, como afirmou numa entrevista à Lusa, pouco depois da publicação da obra, através da qual teve acesso a documentos que faziam incidir uma outra perspetiva sobre a morte, em 1978, de João Paulo I, que foi o cardeal-patriarca de Veneza Albino Luciani, e que apontariam para um assassinato no âmbito de uma conspiração que envolvia a loja maçónica italiana P2, que tinha ramificações a Portugal.

O livro resultante dessa investigação, “O último papa”, foi “best-seller” do jornal The New York Times e vendeu em todo o mundo mais de meio milhão de exemplares, segundo dados da Porto Editora.

“Curiosidades do Vaticano”, a obra a publicar na próxima semana, recupera 71 textos coligidos pelo irmão do autor, Nuno Rocha, e pela editora, abordando temas como os feriados no Vaticano, a proteção civil na cidade do Vaticano, as forças de segurança e os serviços secretos da Santa Sé.

“Luís Miguel Rocha prezava particularmente o contacto com os leitores e raramente recusava um convite para uma apresentação, uma palestra, uma sessão com o público. Respeitava cada opinião, cada comentário e fazia questão de responder a todas as perguntas sobre os seus livros e sobre o que se passava ‘para lá dos altos muros do Vaticano'”, realça a Porto Editora.

Neste sentido, “para satisfazer as muitas solicitações que recebia no contacto com quem o lia, bem como dos seguidores que tinha nas redes sociais, Luís Miguel Rocha decidiu criar, no início de 2012, uma rubrica semanal na sua página de ‘facebook’, onde partilhou o conhecimento que detinha sobre o Vaticano”.

Este livro reúne algumas curiosidades sobre o Vaticano, sede da Igreja Católica, e os seus habitantes ou os que por lá passam, como as capelas do Palácio Apostólico, o Arquivo Secreto, a colunata da praça de S. Pedro, o obelisco do Vaticano ou a alcunha do papa João Paulo II.

“Non fare il portoghese”, “A linha de ferro mais pequena do mundo”, “Leão X, o papa bon vivant”, “Os guardas suíços assassinados no Vaticano em maio de 1998”, “A Santa Sé e a pedofilia”, “Papas assassinados”, “A morte de Albino Luviani”, “Albino Luciani, um homem normal”, “Um processo contra o papa” e “O vencimento do Santo Padre” são alguns dos títulos dos textos coligidos nesta obra.

Atesta a Porto Editora que “era intenção de Luís Miguel Rocha escrever muitos outros textos sobre o tema, partilhar outras curiosidades, mas, infelizmente, a vida não lhe deu oportunidade”.

Do livro fazem ainda parte, além de uma planta do Vaticano, os textos “As fações que ditarão a eleição do sucessor de Bento XVI”, “Animais domésticos no Vaticano”, “João XXIII, o papa com respsota na ponta da língua”, “Scala santa”, “O lugar com maior consuno de vinho do mundo”, “11 de fevereiro de 1929”, “A influência do Vaticano nos dias da semana”, entre outros.