Rádio Observador

Astronomia

Céu de março. Esta é a melhor altura do ano para ver Júpiter

155

Grande, brilhante e muito próximo da Terra, estará Júpiter, especialmente no dia 8. Por volta dessa data, teremos um asteroide a passar próximo do nosso planeta. E tudo em noites escuras de Lua nova.

Céu visível às 5 horas do dia 15 de março em Lisboa mostrando os planetas Marte, Júpiter e Saturno.

OAL/FCUL

Aproveite este mês para ver Júpiter em pleno esplendor. Quando o Sol estiver a descer no horizonte a oeste, Júpiter estará a nascer do lado este, para se manter visível no céu durante toda a noite. Pela manhã põe-se a oeste, quando o Sol estiver a nascer a este. O maior planeta do sistema solar será o quarto objeto mais brilhante no céu – a seguir ao Sol, Lua e Vénus. Júpiter ganha o destaque em relação a Vénus, porque este só aparece de madrugada.

Este é mesmo um mês especial para Júpiter: no dia 8 de março encontra-se em oposição, ou seja, vistos da Terra o planeta gigante fica de um lado e o Sol do outro. Mas mais interessante ainda é que este é o ponto em que Júpiter mais se aproxima do nosso planeta. Se tiver um telescópio médio conseguirá ver alguns pormenores do planeta, refere o blogue do Planetarium Armagh (Irlanda). Mas se não tiver mais do que uns binóculos conseguirá mesmo assim ver os quatro satélites naturais – Io, Europa, Ganimedes e Calisto (as quatro amantes de Zeus, o equivalente grego do deus Júpiter). E aproveite bem porque esta é uma boa altura para ver os fenómenos celestes: a Lua nova é dia 9 e o céu estará mais escuro.

planetas-horas_marco

Mas o dia 8 tem mais que contar: poderá ser nesse dia que o asteroide 2013 TX68 se encontre mais próximo da Terra. Bem, os cálculos têm um certo grau de incerteza, mas os astrónomos preveem que passe “junto” à Terra entre os dias 5 e 9 de março, refere o Observatório Astronómico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (OAL). Junto, quer dizer, provavelmente a cinco milhões de quilómetros – que é qualquer coisa como 12 vezes a distância da Terra à Lua. Na “pior” das hipóteses passará a 30 mil quilómetros, mas os investigadores do Centro de Estudos de Objetos Próximos da Terra dizem que não há risco de colisão com a Terra.

Este asteroide, considerado pequeno segundo o OAL, tem 30 metros de diâmetro – o dobro do meteoro Chelyabinsk, que entrou na atmosfera sobre a Rússia em fevereiro de 2013. Este asteroide do tamanho de uma baleia azul, que podia libertar um milhão de toneladas de TNT aquando o impacto, vai passar a uma distância segura, tanto agora como quando o voltarmos a ver em 2056.

 A órbita do asteroide 2013 TX68. Fonte: NASA

A órbita do asteroide 2013 TX68 – NASA & OAL/FCUL

Troque a noite pela manhã e tente levantar-se um pouco mais cedo para ver o céu da madrugada. Marte aparece muito brilhante a sudeste (na constelação de Escorpião), com Saturno à sua esquerda (na constelação de Ofiúco) e entre eles, um pouco mais abaixo, a supergigante vermelha Antares, conta o Guardian. Marte era também o deus da guerra e da agricultura e por isso deu nome ao mês de março, um bom mês para começar qualquer uma dessas atividades. No calendário romano, antes de Júlio César, março era o primeiro mês do ano e, segundo o blogue do Planetarium Armagh, o início meteorológico da primavera é o primeiro dia do mês.

Os cinco planetas visíveis a olho nu estão presentes de madrugada, mas o ponto em que nasce Mercúrio, a sudeste (na constelação de Peixes) vai ser ofuscado pelo próprio nascer do Sol. Vénus também estará a sudeste, mas na constelação de Aquário. Os outros dois planetas do sistema solar, Úrano e Neptuno, um em Peixes e outro em Aquário, só podem ser vistos com telescópios.

O nosso satélite natural, a Lua, vai continuar a visitar os planetas visíveis: no dia 2, Saturno; Vénus a 7; no dia 28 Marte e no dia seguinte Saturno.

Fases-da-Lua-marco

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)