O diretor Raúl Vaz e os subdiretores Bruno Faria Lopes, Tiago Freire e Francisco Ferreira da Silva anunciaram esta tarde a sua saída da direção do Diário Económico, sabe o Observador.

A decisão da direção do jornal acontece durante um processo complicado para o jornal. No começo do mês, a Ongoing Strategy Investments, uma das principais holdings do grupo criado por Nuno Vasconcellos, avançou com um processo especial de revitalização do jornal ao abrigo do PER (Programa Especial de Recuperação), tendo então sido nomeado um administrador judicial provisório.

Perante as dificuldades financeiras do Diário Económico, “a forma mais correta de recuperar uma parte das perdas era participar no processo especial de recuperação”, afirmou na altura ao Observador João Valadas Coriel, partner da sociedade de advogados Valadas Coriel e Associados, credora do grupo que controla o Diário Económico.

A situação do Diário Económico piorou em dezembro — o agora diretor demissionário, Raúl Vaz, apelidou-a na altura de “dramática” –, isto depois de uma penhora das Finanças às receitas do jornal. Uma penhora que se veio juntar às dívidas muitas aos fornecedores, o que agravou de sobremaneira o défice de tesouraria do jornal.

Na altura, em dezembro, muitos jornalistas tinham dois meses de salários em atraso. Neste momento, os trabalhadores continuam com ordenados por receber. Apesar disso, em fevereiro a Comissão Instaladora da Comissão de Trabalhadores do Económico/ETV reafirmou a sua intenção de “levar a cabo o projeto em todas as suas valências – jornal, televisão e online“, face ao “cenário de insolvência (…) posto em cima da mesa pela administração”. E pediu ajuda aos leitores do jornal: “Apelamos à sociedade portuguesa para que faça desta intenção uma realidade, contribuindo para a continuidade deste projeto, comprando o Diário Económico, acedendo ao economico.pt e seguindo o Etv”, lia-se no comunicado dos jornalistas, que continuam a escrever, mesmo com salários em atraso.

O passivo do Diário Económico (jornal e canal de TV) é da ordem dos 30 milhões de euros.