Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

O PCP deixou para o final das jornadas parlamentares a posição sobre a polémica em volta de Diogo Lacerda Machado, o amigo do primeiro-ministro que tem negociado “a título informal” vários dossiês sensíveis para o Governo. João Oliveira pediu “todos os esclarecimentos relativamente a essa contratação”.

Em Vila Real, o líder parlamentar comunista, disse ainda que os comunistas “não prescindirá” de fazer a “aferição” sobre o caso, “não perdendo de vista os critérios que norteiam o Governo” na elaboração de contratos do Estado.

Lacerda Machado negociou, em nome do Governo e informalmente, dossiês como o da reversão da privatização da TAP. Entretanto António Costa já disse, em entrevista conjunta à TSF e ao Diário de Notícias, que fez um contrato de prestação de serviços com o seu “melhor amigo”, em resposta à polémica. O jurista é ouvido dia 27 no Parlamento sobre o seu papel de negociador do Governo. O PSD já pediu também detalhes sobre o contrato de Lacerda Machado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR