Rádio Observador

Malária

Miguel Prudêncio: nunca houve tanto investimento na investigação do paludismo

O cientista Miguel Prudêncio defendeu hoje que nunca houve tanto investimento na investigação do paludismo, o que permite "imaginar um mundo sem malária", mas afirmou que não está para breve uma vacina eficaz contra a doença.

DAI KUROKAWA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O cientista Miguel Prudêncio defendeu hoje que nunca houve tanto investimento na investigação do paludismo, o que permite “imaginar um mundo sem malária”, mas afirmou que não está para breve uma vacina eficaz contra a doença.

Em entrevista telefónica à Lusa a propósito do Dia Mundial da Malária, que se assinala na segunda-feira, o investigador do Instituto de Medicina Molecular, em Lisboa, afirmou que, perante os níveis de investimento na investigação da malária e os progressos que se têm registado, “talvez seja realista pensar” na erradicação da malária.

“O problema é que desde há alguns anos têm-se estabelecido metas para a erradicação da malária e até agora todas têm falhado”, disse o cientista, para quem “realisticamente”, a erradicação não é algo que se preveja acontecer na próxima década.

Ainda assim, Miguel Prudêncio considerou “evidente que tem havido progressos. A mortalidade devido à malária tem vindo a descer (…) e isso deve-se ao investimento que tem sido feito, nomeadamente na distribuição redes mosquiteiras e inseticidas, que têm permitido controlar um pouco a transmissão da malária.

Também na investigação, “nunca houve tanto investimento”, o que se deveu em grande parte à Fundação Bill e Melinda Gates, que no início do século “apareceu com o desígnio de investir a sério em doenças que afetam os países mais pobres, entre os quais a malária”.

O investimento da fundação do criador da Microsoft “foi muito importante, não só pelo que ela própria representou, mas também porque funcionou como estímulo a outras entidades que financiam a investigação e para a própria Organização Mundial da Saúde”, que assim começaram a investir mais nessas áreas.

“Atualmente, a malária é uma das áreas de investigação que é prioritária”, afirmou o investigador.

Questionado sobre se o surgimento do Zika e o grande interesse que suscitou a nível científico e na comunidade pode pôr em causa os níveis de investimento alcançados pela malária, o cientista admitiu que o risco existe.

No entanto, mostrou-se confiante de que as entidades financiadoras não vão alterar radicalmente a sua política de financiamento “em função de algo que é circunstancial”.

“Há sem dúvida um risco de desviar as atenções do público, mas as agências financiadoras e as entidades que estão no terreno não vão mudar radicalmente as suas estratégias”.

Opinião semelhante tem o investigador Henrique Silveira, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, para quem o forte investimento na investigação do Zika é algo pontual, que resulta da pressão da opinião pública sobre as entidades políticas e financiadoras.

Considerando “fantástico” que as agências financiadoras tenham conseguido, em três ou quatro meses, pôr de pé uma série de projetos de investigação do Zika, o cientista mostrou-se convencido de que a investigação desta doença acabará por entrar na normalidade.

Ainda assim, sublinhou que o investimento na investigação do Zika é importante, não só para esse vírus, mas também para outros, como o dengue, já que o mosquito que transmite ambos os patogénios é o mesmo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)