Os concessionários Peugeot estão este fim-de-semana de portas abertas para o lançamento do novo 2008, modelo que recebe a sua primeira actualização ao fim de três anos no activo. Além da habitual renovação estética, a marca francesa aproveitou a oportunidade para introduzir alguns melhoramentos que permitem ao seu modelo compacto assumir uma alteração de carácter, sendo agora anunciado como um SUV. Atenta ao facto de ser este o segmento de mercado que mais cresce no mercado europeu (e não só), tendência que não deverá sofrer alterações num futuro a médio prazo, a Peugeot reforça a sua aposta neste domínio com o novo 2008, sendo esta a primeira das cinco propostas do género que a marca do leão irá lançar nos próximos doze meses, na Europa. Seguir-se-lhe-ão, para o mercado europeu, o 3008, em Outubro, e o 5008, em Fevereiro ou Março de 2017, com o monovolume médio gaulês a protagonizar análoga alteração de postura.

7 fotos

Estética com músculo

Visualmente, além dos grupos ópticos retocados, com máscara em preto e cromado na frente e por LED com efeito tridimensional atrás, marcam presença no novel 2008 a grelha vertical, símbolo da nova identidade visual da Peugeot, que daqui em diante será utilizada em todos os novos modelos da marca, incluindo os comerciais. As cavas das rodas alargadas, o capot e os pára-choques redesenhados e, especialmente, as protecções em plástico da carroçaria (cavas das rodas, saias laterais e base das secções dianteira e traseira) são outras das mudanças operadas no exterior, para conferir ao modelo uma imagem em harmonia com o seu novo estatuto – o de SUV. A palete de cores passa a incluir o vermelho Ultimate, estreado no 308 GTI, e o Emerald Crystal.

Mais subtis, os retoques operados num interior dominado pelo célebre i-Cockpit da Peugeot, pela correcta habitabilidade e pelos muitos espaços de arrumação que, no seu conjunto, perfazem uma capacidade de 24 litros. O volume da bagageira varia entre 410 e 1400 litros (existindo um compartimento com 22 litros adicionais sob o respectivo piso), dispondo o banco traseiro de um sistema de rebatimento assimétrico operável através de um simples manípulo.

Equipamentos pouco comuns no segmento

Mostrar Esconder

A casa de Sochaux faz questão de sublinhar a disponibilização, por parte do novo 2008, de alguns equipamentos pouco habituais no segmento, caso do sistema Mirror Screen (apto a reproduzir, no ecrã de bordo, as principais funcionalidades dos smartphones emparelhados); da câmara de visão traseira; do sistema de travagem de emergência em cidade (através de um laser e desde que abaixo dos 30 km/h, detecta potenciais situações de colisão, substituindo o condutor na tarefa de travar sempre que este não actua em conformidade); e o sistema de estacionamento automático (em paralelo ou na perpendicular) Park Assist.

Meia dúzia de motorizações

Para animar o novo SUV compacto francês foram eleitos dois blocos, cada um proposto com três níveis de potência. A oferta a gasolina é composta pelo três cilindros PureTech de 1,2 litros, nas suas variantes de 82 cv, 110 cv e 130 cv, ao passo que a gama diesel assenta no reputado 1.6 BlueHDI de quatro cilindros, nas suas derivações de 75 cv, 100 cv e 120 cv. As caixas são manuais de cinco velocidades, excepto nas versões 1.2 PureTech de 130 cv e 1.6 BlueHDI de 120 cv, que recorrem a uma transmissão manual de seis relações. O 2008 1.2 PureTech de 110 cv propõe, em opção e apenas nos dois níveis de equipamento mais elevados, uma caixa automática de seis velocidades, que implica um acréscimo de preço (1300€).

Com 1045 kg de peso e uma altura ao solo de 16 cm, o novo 2008 reforça a sua vocação SUV através da disponibilização do sistema Grip Control (200€) para os motores com potências iguais ou superiores a 100 cv, com caixa automática ou manual e jantes de 16” ou 17”. Trata-se de um controlo de tracção optimizado, que visa aumentar a capacidade do veículo para evoluir noutros terrenos que não o asfalto, para o que conta com cinco programas predefinidos, seleccionáveis pelo condutor através de um comando rotativo situado entre os bancos: Normal, Neve, Todo-o-terreno, Areia e ESP Off. O modo Neve só está disponível até aos 50 km/h, enquanto o TT funciona como um autoblocante electrónico, desde que abaixo dos 80 km/h. O modo Areia, que se encontra limitado a uma velocidade de 120 km/h, previne os “atascanços” com o sistema a alternar com o modo normal, em função das exigências do momento. Já o perfil ESP Off permite inibir o funcionamento do controlo de estabilidade até aos 50 km/h. Para reforçar as suas competências, sempre que equipado com Grip Control, o 2008 monta, também, pneus mistos (M+S) Goodyear Vector 4Seasons.

6 fotos

Desempenho convence

Um primeiro contacto com o novo Peugeot 2008 em terras de Espanha, na sua mais dotada versão a gasolina, permitiu confirmar, desde logo, que se mantém inalterado o seu bom desempenho sobre o asfalto, graças a um apreciável nível de conforto e a um comportamento muito equilibrado, no caso salientado pela vivacidade e suavidade do motor de 130 cv, que voltou a demonstrar as razões porque é (justamente) considerado um dos melhores dos pequenos três cilindros da nova geração.

Preços

Mostrar Esconder

1.2 PureTech de 110 cv

20.620€ Active / 22.220€ Allure / 23.220€ GT Line

1.2 PureTech de 130 cv

22.760€ Allure / 23.760€ GT Line

1.6 BlueHDI de 100 cv

23.500€ Active / 25.100€ Allure

1.6 BlueHDI de 120 cv

25.780€ Allure / 26.780€ GT Line

Fora de estrada, adoptando as necessárias precauções, e fazendo bom uso do Grip Control, são relativamente fáceis as incursões por terrenos inacessíveis à maioria dos automóveis comuns, desde que se não exija do modelo aquilo para que não foi concebido – afinal, até por não contar com tracção integral, nem com uma altura ao solo assim tão generosa, importa não esquecer que ser um pequeno SUV é coisa (bem) diferente de ser um verdadeiro TT.

Proposta competitiva

O 2008 tem ocupado, desde a sua chegada, um lugar no pódio das vendas. Para continuar a ser um dos modelos mais bem-sucedidos da sua classe, o renovado 2008 apresenta-se como uma das propostas mais interessantes do segmento.

Além dos conhecidos níveis de equipamento Access (disponível apenas com os motores de base de gama), Active e Allure, a Peugeot, sabendo que as versões melhor equipadas tendem a ser as mais procuradas, introduziu o novo nível GT Line, em consonância com o que já acontece com a maioria dos modelos que compõem o catálogo da marca.

GT Line

Mostrar Esconder

Inclui de série o sistema Grip Control; jantes em liga de 17” em preto brilhante; cromados exteriores substituídos por aplicações em preto (friso da grelha, contorno dos faróis de nevoeiro, caixas dos retrovisores e barras de tejadilho); logo Peugeot a vermelho na grelha; inscrição GT Line nos guarda-lamas dianteiros e no portão traseiro; soleiras das portas em inox com a inscrição Peugeot; pedaleira em alumínio; pespontos vermelhos; LED vermelhos a emoldurar o painel de instrumentos; e volante desportivo em pele, tal como o punho da caixa.

Os preços iniciam-se nos 16.760€ da versão 1.2 PureTech de 82 cv, e nos 20.170€ exigidos pela variante 1.6 BlueHDI de 75 cv. Contudo, e como a própria Peugeot assume que estas são versões essencialmente destinadas ao mercado frotista, o que interessa ao cliente particular são os preços do 1.2 PureTech de 110 cv (desde 20.620€) e de 130 cv (a partir de 22.760€). A gasóleo, a comercialização do 1.6 BlueHDI de 100 cv arranca nos 23.500€, enquanto o de 120 cv começa nos 25.780€.