Teri Goldstein, da Califórnia, levou a Microsoft à barra do tribunal e a empresa vai ser obrigada a pagar-lhe 10 mil dólares (cerca de 9 mil euros) de indemnização. A utilizadora do sistema operativo Windows argumentou que este se atualizou automaticamente, sem a sua permissão, e lhe deixou o computador inutilizado por vários dias, noticia a BBC.

O valor pago pela empresa inclui os custos de um novo computador. “Nunca tinha ouvido falar sobre o Windows 10. Ninguém me perguntou se eu queria atualizar”, disse Teri Goldstein.

A empresa chegou a equacionar recorrer da decisão judicial, mas acabou por desistir para evitar pagar mais pela disputa jurídica. Apesar de a Microsoft negar ter cometido qualquer infração, a decisão de pagar a indemnização (que dado o valor não fará mossa nas contas) poderá ser interpretada pelos consumidores como uma retração da empresa em relação às práticas cada vez mais agressivas que tentam impor aos utilizadores mais antigos a passagem para a nova versão do sistema operativo, o Windows 10.

Uma das coisas que mais faz perder a paciência aos utilizadores do sistema operativo Windows, especialmente aos das versões 7 e 8, é o aviso constante com pedidos para fazer atualizações — aquela irritante janela pop-up, que pode ser dispensada clicando no canto para a fechar. Uma espécie de jogo do rato e do gato entre os utilizadores e a empresa, que quer levar o maior número possível de utilizadores a passarem para a nova versão, cujas definições padrão permitem que o computador envie “informações pessoais” e dados referentes à sua utilização para a Microsoft.

Muitos dos utilizadores do Windows 10 queixam-se da falta de privacidade do sistema, o que os tem levado a recusarem a atualização. Até porque alguns programas instalados nas versões anteriores não funcionam na nova versão.

Algo que não parece ter estado nas preocupações da empresa, que tem sido acusada de recorrer a uma prática desleal que ilude o utilizador e o força a instalar o software mais recente. A Microsoft resolveu transformar a sugestão de passagem para o Windows 10 numa “atualização recomendada” que se instala automaticamente graças a um “truque sujo”: clicar na janela pop-up dá início à atualização não solicitada para a nova versão.

Mas a brincadeira com a paciência dos utilizadores mais antigos do Windows tem os dias contados: a exibição repetitiva de janelas pop-up com mensagens dúbias e sem uma opção clara para rejeitar a atualização está prestes a acabar.

A oferta de atualização gratuita para o Windows 10 acaba no fim próximo mês de julho, na altura em que o sistema operativo faz um ano do lançamento. Daí em diante, quem atualizou, atualizou. Quem não o fez não o poderá fazer de forma gratuita, a não ser que compre uma licença nova.