Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pouco mais de dois meses depois das eleições presidenciais terem sido vencidas pelo ecologista Alexander Van der Bellen por pouco mais de 30 mil votos, o Tribunal Constitucional da Áustria decidiu anular o resultado de 22 de maio e ordenou novas eleições presidenciais. A ida às urnas deverá ser em setembro ou outubro.

“O recurso colocado pelo líder do Partido da Liberdade Austríaco [FPÖ, de direita populista e anti-imigração], Heinz-Christian Strache, contra as eleições de 22 de maio (…) foi aprovado”, disse esta sexta-feira o presidente do Tribunal Constitucional austríaco, Gerhard Holzinger. Segundo a Deutsche Welle, Holzinger disse que esta decisão “serve apenas para fortalecer a confiança nas nossas leis e na nossa democracia”.

O argumento do FPÖ, que acabou por ter peso, foi o de que houve ilegalidades — nomeadamente com gente a poder votar antes da data permitida, segundo as leis eleitorais — na maneira como foram administrados os votos por correspondência em 94 das 117 zonas de voto de todo o país. Além disso, o FPÖ referiu que alguns menores de 16 anos e estrangeiros tinham conseguido votar.

A decisão do Tribunal Constitucional surge depois de o FPÖ ter interposto um recurso à segunda volta das eleições, a 22 de maio, depois ter vencido a primeira volta, a 24 de abril. Nessa altura, o candidato do FPÖ, o controverso Norbert Höfer, surpreendeu ao ficar com 35%, bem à frente de Alexander Van der Bellen, com 21%.

O resultado final só ficou determinado no dia seguinte às eleições, quando foram contados os cerca de 700 mil votos por correspondência, no dia 23 de maio, segunda-feira. Na noite de domingo, 22 de maio, Norbert Höfer estava à frente na contagem dos votos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR