Rádio Observador

Mercados Financeiros

Portugal paga mais de 3% para emitir dívida a 10 anos

1.445

Tesouro pagou juros superiores a 3% para emitir dívida a 10 anos, um pouco mais do que no último leilão com prazo longo. Isto no mesmo dia em que a Alemanha paga juros negativos no mesmo prazo.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Tesouro português pagou juros superiores a 3% para emitir dívida a 10 anos, um pouco mais do que no último leilão comparável (feito em junho). Isto no mesmo dia em que a Alemanha pagou, pela primeira vez, juros negativos para emitir dívida com esse mesmo prazo.

Os títulos a 10 anos foram colocados a uma taxa de 3,09%, com a emissão de 584 milhões de euros. Foram, também, emitidos 571 milhões de euros em dívida a seis anos, ajudando o IGCP a obter 1.155 milhões de euros em dívida, dentro do montante indicativo que era pretendido.

O IGCP tinha emitido dívida com um prazo próximo de 10 anos, pela última vez, em junho (na altura, uma linha com maturidade em outubro de 2025). Nessa altura, os títulos saíram com uma taxa de 2,859%.

Noutro termo de comparação, a última emissão nesta linha de obrigações, utilizada hoje e que vence em 2026, foi um pouco antes, em maio, e aí a taxa foi de 3,252%.

Seja como for, olhando além da taxa absoluta, mesmo em relação a esse leilão de maio houve uma deterioração do risco de Portugal — já que a tendência dos juros em toda a zona euro tem sido de um alívio bem maior: em Espanha, por exemplo, caíram de mais de 1,6% em maio para cerca de 1,1% hoje.

Como têm evoluído os juros de Portugal, comparados com Espanha

GSPT10YR Index (PORTUGUESE GOVER 2016-07-13 10-13-51

As compras por parte do Banco Central Europeu (BCE) no mercado (não diretamente aos Estados) têm contribuído para baixar os juros a que se financiam os países da zona euro. Outras medidas de estímulo monetário, como a taxa dos depósitos negativa, também têm contribuído para essa situação. Mas, apesar da importância dos estímulos do BCE, tem sido possível observar divergências nos custos de financiamento relativos dos vários países.

Esta quarta-feira foi, também, o dia em que o Tesouro alemão se financiou a juros negativos pela primeira vez. Já há várias semanas que o mercado transacionava, entre si, dívida alemã com juros negativos mas hoje foi a primeira vez que esse resultado se verificou numa emissão efetiva por parte do Estado alemão.

“O que se retira daqui é que Portugal continua a ser uma boa alternativa para os investidores de dívida pública, dado que os países com melhor rating que o nosso apresentam taxas negativas nos prazos longos”, comenta Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, em reação enviada às redações.

Numa entrevista ao Observador, o economista-chefe do Natixis, Patrick Artus, comentou que, com o BCE a manter os juros de Portugal não muito longe de 3%, é “errado” dizer que Portugal não tem sofrido uma pressão específica nos mercados financeiros, tendo em conta a comparação com os outros países.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)