Tudo começou com uma viagem

No início de 2015, Marco Silva viajou com o amigo Tiago até Londres. Já tinha ouvido falar no Cereal Killer, o primeiro café especializado em cereais a abrir na capital britânica, e insistiu com o seu companheiro de viagem que deviam prestar-lhes uma visita. Assim foi. Gostaram muito, não só do produto mas também do conceito que lhe estava associado. Tanto, aliás, que pensaram de imediato que também poderia resultar em Lisboa.

Curiosamente, as estatísticas corroboravam o sentimento: “Tivemos acesso a um estudo da Nestlé que dizia que éramos o segundo país europeu onde se consumiam mais cereais”, conta Marco. Quando voltaram a Portugal, juntou-se-lhes um terceiro elemento ao grupo, Filipe Vicente. E foi este trio que começou a trabalhar no que viria a ser o Pop Cereal Café, o primeiro espaço do género a abrir em Lisboa.

Foi um parto difícil

Em setembro do ano passado os três amigos/sócios tinham tudo pronto para avançar. O espaço estava escolhido — a antiga loja da Carhartt da Rua do Norte, no Bairro Alto — e o processo tinha tido um OK inicial por parte das entidades competentes. O problema veio depois: na ligação autarquia -> junta de freguesia -> associação de moradores (que, ao que consta, tem de dar um parecer positivo à abertura de novos negócios nesta zona da cidade) a coisa acabou por se arrastar. E muito.

12240237_170079153342767_7747271695798909141_o

O portão da loja estava pintado desde novembro do ano passado. Mas só se abriu ao público há dois dias. (foto: facebook.com/popcerealcafe)

Tinham previsto abrir o seu cereal cafe nos primeiros dois meses do ano, acabaram por ter de esperar mais uns quantos. A situação só foi desbloqueada, contam, graças à ação de uma secretária mais expedita que pegou finalmente no processo deles e não descansou enquanto não percebeu o que faltava para poderem avançar. Eram duas assinaturas.

Não falta variedade de escolha

O Pop Cereal Café abriu, finalmente, na última quarta-feira. E impressiona, em primeiro lugar, pela variedade de oferta. Atrás do balcão estão dispostas as caixas de cereais, que, graças às respetivas cores, têm dupla função: alimentar os clientes e decorar a casa. Uns são nacionais outros vêm dos Estados Unidos, África do Sul, Espanha ou Inglaterra. “Atualmente temos 80 referências disponíveis mas vamos chegar às 100 em breve”, conta Filipe Vicente.

Não se pense, contudo, que a variedade acaba aí. Nada disso. “A nossa ideia é ir muito mais além da mistura clássica leite e cereais. Queremos desmistificar isso”, acrescenta Filipe. Como? Para já, o leite servido pode ser de vaca, sim, mas também de soja, aveia, arroz, amêndoa ou sem lactose. Depois, pode ser simples ou aromatizado com sabores que vão da baunilha ou chocolate à maçã e canela, entre muitos outros. Mas não é tudo: recorrendo a toppings, bolachas, gelados ou doces diversos o número de combinações possíveis acresce às centenas. “Fiz as contas: é possível vir aqui todos os dias durante dois anos e comer sempre uma coisa diferente”, assegura Marco Silva.

POP CEREAL TP23

Filipe Vicente e Marco Silva são os responsáveis por encontrar a combinação perfeita para cada cliente. (foto: © Tiago Pais / Observador)

As receitas são de autoria própria. E a decoração também

Há males que vêm por bem. No caso do Pop Cereal Café, o facto de a abertura ter sido adiada por tantos meses fez com que houvesse tempo de sobra para preparar o espaço, comprar os cereais e inventar/testar as receitas até à exaustão. “Acho que sabemos tudo o que temos de cor e salteado”, brinca Marco. E foram os próprios responsáveis que não só trataram dos mais diversos pormenores do mobiliário e decoração — inclusive da mesa que está colada no teto — como criaram as diversas receitas que sugerem aos clientes.

POP CEREAL TP2

Por todo o espaço não faltam referências decorativas ao universo dos cereais.
(foto: © Tiago Pais / Observador)

Entre as misturas de cereais pré-feitas contam-se por exemplo, a King Coconut (3,60€), que inclui Multi Cheerios, Chocapic Duo, Tresor Branco, mini chocolate de côco, côco Ralado e topping de Bounty e leite ou a Final Fantasy (3,70€), com Rice Krispies, Frosties, pudim, chantili, Belgas, topping de caramelo, pepitas coloridas e leite. Mas não é tudo: também há batidos com cereais, os chamados Freakshakes, com nomes tão sugestivos como Insanutella (4,30€) ou Caramel Overdose (4,30€). “O menu para já está assim mas podemos vir a acrescentar receitas”, dizem. Só há uma regra: tudo tem de ter cereais. “Isto é um tributo aos cereais, não podia ser de outra maneira”, justifica Filipe.

POP CEREAL TP6

Este é um dos freakshakes disponíveis: chama-se Insanutella e, como o nome indica, é especialmente indicado para os apreciadores do famoso creme de cacau e avelã italiano. (foto: © Tiago Pais / Observador)

Tem sido um sucesso

“Achávamos que nestes primeiros dias, como não íamos divulgar a abertura, isto ia estar calmo.” Para bem do negócio, Marco enganou-se. Rotundamente. Atraídos pelo ambiente pop art ou pela manequim que, à porta, segura uma taça de cereais, não faltam curiosos que entram e perguntam do que é que se trata. Muitos turistas, claro, mas também alguns portugueses. A maioria fica para experimentar. E gosta. Pelo menos foi isso que aconteceu na hora e meia que o Observador passou dentro da loja. “E isto à noite, depois do jantar, tem estado ainda mais movimentado”, contam. É a prova: há quem prefira o leite e cereais ao vinho e à cerveja. Por esta é que o Bairro Alto não esperava.

Nome: Pop Cereal Café
Morada: Rua do Norte, 64 (Bairro Alto), Lisboa
Telefone: 96 544 4301 / 91 836 1058
Horário: Todos os dias, das 10h às 00h
Site: www.popcereal.com / facebook.com/popcerealcafe