Concertação Social

Governo quer mudar apoios à contratação. Há cinco mudanças fundamentais

394

O Governo apresentou aos parceiros sociais um conjunto de propostas para promover as contratações. Há corte na duração dos estágios e apoios direcionados para criar empregos nos quadros.

O documento apresentado pelo Governo com as propostas para mudar os apoios à contratação será discutido com os parceiros sociais

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Ministério do Trabalho, liderado por Vieira da Silva, enviou esta sexta-feira aos parceiros sociais um conjunto de propostas para reorientar as políticas de contratação. O objetivo é evitar que as empresas recorram aos estágios profissionais para colmatar carências de pessoal e estimular a contratação para os quadros, em detrimento dos contratos a prazo. Conheça as principais propostas do Executivo.

Estágios mais curtos

A duração dos estágios apoiados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) foi cortada. Em vez de nove meses, os estágios passam a durar seis meses e as empresas ficam limitadas a 25 estagiários por ano. O período de duração dos estágios segue as recomendações internacionais, justifica o Executivo, e o objetivo é evitar que as empresas utilizem os estágios para colmatar carências de recursos humanos. É também por isso que passará a haver limites à sucessão temporal de apoios nos percursos individuais.

Além disso, os contratos sem termo que forem assinados no final dos estágios serão incentivados com um apoio de dois salários, até um máximo de 2.096 euros, a atribuir 12 meses após o final do apoio.

Contratos sem termo são favorecidos

Os contratos para os quadros têm uma discriminação positiva face aos que são a prazo. As empresas que contratem um desempregado sem termo podem candidatar-se a um apoio de 3.773 euros. Contudo, este valor é cerca de 30% mais baixo do que o que existia até agora.

Prémio-emprego

Uma parte do apoio dado na criação dos postos de trabalho (50% do incentivo) vai ficar dependente da permanência do contrato sem termo durante 24 meses, após o início do apoio. O objetivo é estimular a criação efetiva de postos de trabalho.

Contratos a prazo têm menos apoios

Na criação de emprego a prazo, o apoio é mais baixo: passa a 1.258 euros. Além disso, só serão apoiados contratos que tenham uma duração mínima de 12 meses, criados para segmentos desfavorecidos. Atualmente são apoiados os contratos com prazo igual ou superior a 6 meses.

Ainda assim, haverá um incentivo à conversão dos contratos a termo em lugares nos quadros, igual ao que está previsto para a contratação sem termo de ex-estagiários. São dois salários, até um máximo de 2.096 euros, pagos 12 meses após a celebração do contrato sem termo.

Candidatura por pontos

Será criado um sistema de pontuação, com base em critérios que o Executivo garante serem objetivos e transparentes, para hierarquizar as candidaturas e permitir selecionar quem terá direito aos apoios. Por exemplo, serão atribuídos pontos consoante o tipo de contrato que se visa criar, em função do tipo de trabalhador que se vai empregar (jovem, desempregado de longa duração, por exemplo) e também em função dos resultados de empregabilidade verificados em apoios anteriores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)