Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma nova aplicação está a fazer sucesso entre os amantes da fotografia com telemóvel. Chama-se Prisma, vem da Rússia, e já está em 15.º lugar nas aplicações mais descarregadas da App Store. A aplicação chegou esta semana à Play Store, após ter sido lançada no final de junho para os utilizadores da Apple.

O objetivo da Prisma é transformar cada fotografia numa obra de arte, inspirada pelo estilo de pintores como Picasso, Van Gogh e Munch. Veja na fotogaleria acima alguns “antes” e “depois” dos filtros do Prisma.

O diretor executivo da aplicação, Alexey Moiseenkov, explicou à BBC que os filtros da aplicação não funcionam como os habituais, “impondo-se à imagem”. O que a Prisma faz é combinar dados da imagem carregada pelo utilizador com os dados do filtro, criando uma imagem nova.

A aplicação utiliza modelos de redes de neurónios artificiais, para criar os efeitos através de inteligência artificial. “No servidor, temos três redes de neurónios, e cada uma efetua uma tarefa diferente”, explica Moiseenkov.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Se os utilizadores da Apple já colocaram a aplicação no topo das mais descarregadas, os utilizadores do Android também tem recebido bem a novidade, como mostram as avaliações na Play Store:

rate app prisma

Uma fotógrafa profissional testou a aplicação e contou à BBC que “é divertida”. Andreína Mujica, fotógrafa venezuelana, reconheceu que a Prisma “tem um interessante mostruário de filtros, prismas, ou melhor, revestimentos. É como disfarçar a imagem com uma cobertura diferente”.

No entanto, admitiu a fotógrafa, “não é algo que usasse profissionalmente”.

A aplicação foi desenvolvida por um grupo de informáticos, a partir de Moscovo, e inclui mais de 30 filtros, de estilos artísticos diferentes.