Cerca de 500 observadores internacionais coordenados pelas Nações Unidas vão ser enviados para a Colômbia para verificar o cessar-fogo e a entrega de armas por parte da guerrilha das FARC, revelou na quarta-feira o Congresso colombiano.

Os observadores chegarão à Colômbia quando for assinado o acordo de paz final negociado entre o Governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC, guerrilha marxista).

Haverá “500 observadores internacionais de mais de 15 países” para garantir a aplicação do cessar-fogo e o desarmamento das FARC, disse o presidente do Senado da Colômbia, Mauricio Lizcano, após uma reunião, na quarta-feira, entre o chefe da Missão da ONU na Colômbia, Jean Arnault, e a Comissão para a Paz do Congresso colombiano.

Segundo revelou, “15% [dos observadores] são europeus e 85% são da América Latina”.

O chefe dos observadores será um general argentino, Javier Antonio Pérez Aquino, que conta com 35 anos de experiência militar, nacional e internacional, sublinhou a ONU.

Pérez Aquino integrou, entre outras, a missão de observação da ONU na fronteira entre o Iraque e o Koweit em 1993.

O Governo da Colômbia e as FARC iniciaram negociações de paz em 2012, em Havana, e anunciaram um acordo este ano, para pôr fim a décadas de conflito, que fez pelo menos 260 mil mortos.

A 23 de junho, as duas partes assinaram um acordo de cessar-fogo e desarmamento dos guerrilheiros, última etapa antes do acordo de paz final.