O número de ocorrências de fogos florestais ficou acima da média dos últimos 10 anos, em julho, mas a área ardida foi “bastante inferior”, ao ficar em cerca de seis mil hectares, anunciou a Proteção Civil.

O comandante operacional nacional, José Manuel Moura, revelou o balanço do primeiro mês da fase Charlie, que se prolonga até 30 de setembro, realçando que a área ardida em julho foi um terço da média do decénio, com 5.943 hectares contra 17.042 hectares.

No entanto, em julho registaram-se 3.331 ocorrências, contrastando com as 2.984 ocorridas durante o período de 10 anos, sendo o distrito do Porto aquele com mais ignições, com Paredes a liderar a lista de concelhos, com 206 situações.