375kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Ribeiro e Castro ataca colagem de CDS ao MPLA

Este artigo tem mais de 5 anos

O ex-presidente do CDS não gostou de ver Hélder Amaral, dirigente do CDS, a elogiar o MPLA de José Eduardo dos Santos. Com ironia, Ribeiro e Castro sugere Kim Jong-un no próximo congresso centrista.

"Não fora a sua conhecida aversão a viajar, poderíamos mesmo contar já como assegurada a presença de Kim Jong-un [no congresso do CDS]"
i

"Não fora a sua conhecida aversão a viajar, poderíamos mesmo contar já como assegurada a presença de Kim Jong-un [no congresso do CDS]"

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

"Não fora a sua conhecida aversão a viajar, poderíamos mesmo contar já como assegurada a presença de Kim Jong-un [no congresso do CDS]"

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

José Ribeiro e Castro, ex-líder democrata-cristão, não gostou de ver o seu próprio partido a deixar rasgados elogios ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) de José Eduardo dos Santos. Num texto publicado na página pessoal do Facebook, carregado de ironia, Ribeiro e Castro vai sugerindo os próximos partidos irmãos do CDS: depois do MPLA, será então a vez do Partido Comunista de Cuba, do Partido do Trabalho da Coreia do Norte e do Partido Comunista da China, por exemplo.

Na quarta-feira, PS, PSD, CDS e PCP fizeram-se representar em Luanda, no congresso do MPLA que reelegeu José Eduardo dos Santos. Aos jornalistas, Hélder Amaral, deputado e dirigente democrata-cristão, acabou por assinalar que CDS-PP e MPLA têm agora “muitos mais pontos em comum”.

“Pela primeira que nos convidaram, estamos presentes, queremos fortalecer essa relação, ela já existia em termos parlamentares e estamos no fundo a ver, a ouvir e a perceber melhor, a ver de que forma podemos ser úteis, a mostrar a nossa disponibilidade e no fundo tentar que se perceba que esses dois países têm ligações que ultrapassam qualquer dificuldade”, começou por dizer o centrista. Hélder Amaral acabaria ainda por expressar o desejo: “Espero que seja o primeiro de muitos congressos e esperamos também ter no nosso congresso representantes do MPLA”.

Ora, José Ribeiro e Castro não gostou de ouvir as palavras do dirigente democrata-cristão. “[Um futuro] congresso do CDS talvez venha a contar também com a presença de delegações do Partido Comunista de Cuba, do Partido do Trabalho da Coreia do Norte, do Partido Comunista do Vietname, da FRELIMO, da Frente Polisário e do Partido Comunista da China – tudo delegações estrangeiras cuja presença em Luanda é destacada pelo influente ‘Jornal de Angola’ ao lado da do CDS-PP”, começa por notar o ex-presidente do CDS.

Se dúvidas houvesse, Ribeiro e Castro, que se despediu do Parlamento na última legislatura, vai mais longe na sua análise. “Não fora a sua conhecida aversão a viajar, poderíamos mesmo contar já como assegurada a presença de Kim Jong-un, a liderar a delegação do Partido do Trabalho norte-coreano. Esse Congresso do CDS-PP reunirá certamente em Viseu”, remata o antigo deputado democrata-cristão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.