437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Metade das empresas quer contratar mais pessoas este ano e no próximo

Este artigo tem mais de 5 anos

Um estudo da Mercer mostra que o número de empresas, a atuar em Portugal, a querer contratar colaboradores quase duplicou face a 2015. A subida do PIB terá contribuído para esta evolução.

44% das empresas pretendem manter o número de colaboradores em 2016 e 7% admitiu que pretende reduzir esse número
i

44% das empresas pretendem manter o número de colaboradores em 2016 e 7% admitiu que pretende reduzir esse número

Getty Images

44% das empresas pretendem manter o número de colaboradores em 2016 e 7% admitiu que pretende reduzir esse número

Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

São boas notícias. Perto de metade das 305 empresas portuguesas (49%) inquiridas pela Mercer pretende aumentar o seu efetivo de colaboradores este ano, de acordo com um estudo divulgado, esta quarta-feira, pela consultora.

O número de empresas que pretende aumentar o número de colaboradores quase duplicou face aos valores de 2015 (ano em que 26% das empresas responderam desta forma). Em 2017 estima-se em 46% o total das empresas que pretendem aumentar os seus quadros.

Da outra metade que sobra, 44% responderam que pretendem manter o número de colaboradores em 2016 e 7% admitiram que pretendem reduzir esse número. Em 2017, 52% das empresas inquiridas afirmou querer manter o número de colaboradores e 2% expressou vontade de reduzir os quadros.

Tiago Borges, responsável da área de Estudos de Mercado da Mercer, explicou que o PIB real em Portugal aumentou para os 1,5% em 2015 e que “em 2016 as estimativas apontam para uma expansão semelhante e para 2017 prevê-se uma continuação da tendência de crescimento, com previsões que apontam para 1,7%”, um valor que contribui para o aumento significativo da intenção de contratar novos colaboradores.

Segundo o estudo Total Compensation Portugal 2016, 88% das empresas que participaram no estudo realizam uma revisão salarial uma vez por ano. Cerca de dois terços das empresas (63%) optam por fazer essa revisão entre março e abril. Para estes aumentos salariais, os fatores que mais contribuem são os resultados individuais (79%) e os resultados da empresa (72%). Os fatores quem menos contribuem para esse incremento salarial são a antiguidade (5%) e o nível funcional (15%).

Apenas 5% das empresas a operar em Portugal optou por congelar os salários para toda a estrutura no ano de 2016, quando em 2015 esse valor era de 22%.

Existe uma expectativa de aumentos salariais para 2017 em todos os quadros das empresas, exceto para as Direções Gerais/Administração e para os Operários.

Este estudo avalia ainda a realidade dos recém-licenciados. Nas empresas analisadas o valor salarial anual (12 meses mais subsídios) dos recém-licenciados situa-se entre os 13.057 e 17.984 euros. Em 2015, o valor mínimo de referência para recém-licenciados era de 11.950 euros.

A Mercer ouviu 305 empresas, que empregam 160.232 trabalhadores. Da amostra analisada, 54% são multinacionais, 45% são empresas portuguesas do setor privado e 1% são empresas públicas. Mais de 80% das empresas representadas têm menos de 500 funcionários e 9% destas têm mais de 1.000 colaboradores. Quanto à faturação das empresas em causa, 62% fatura menos de 50 milhões de euros e 20% da amostra tem uma faturação de mais de 100 milhões ao ano.

A maior parte (88%) das empresas do estudo pertencem aos setores de Serviços Generalistas, Indústrias Diversificadas, Bens de Consumo, Hi-Tech/ Telecomunicações, Grande Distribuição e Serviços Financeiros.

Texto editado por Marlene Carriço

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.