O Deutsche Bank gozou de condições especiais, concedidas pelo regulador, nos últimos testes de stress à banca europeia. A notícia é avançada pelo Financial Times.

Em causa está a venda de uma operação na China, no valor de quatro mil milhões de dólares. O banco chegou a acordo para a venda da participação no banco Hua Xia em dezembro de 2015. Mas o negócio não estava concluído antes de 31 de dezembro de 2015, a data de referência em que os balanços dos bancos europeus foram fotografados. Aliás, a transação ainda não está totalmente concluída, depois de o banco ter falhado um prazo regulatório no mês passado.

Segundo o Financial Times, o Deutsche Bank continua confiante de que a venda da participação seja fechada até ao final deste ano, mas isso não invalida que, como escreve o diário financeiro, o Deutsche Bank tenha tido oportunidade de registar uma operação que não estava concluída na altura e que, por isso, tenha sido favorecido em relação aos outros bancos.

A autorização especial dada ao Deutsche Bank aparecia numa nota de rodapé nos testes de stress, mas nenhum outro banco tinha tais notas apesar de várias instituições terem em curso operações que influenciam a sua capitalização mas que não estavam concluídas até ao final de 2015. Um exemplo citado pelo FT é uma venda pelo espanhol CaixaBank, acionista do BPI, de alguns ativos — como a operação não foi fechada até ao dia da fotografia (31 de dezembro de 2015), não contou.

Um analista citado pelo jornal diz que este tratamento especial é algo que o deixa “perplexo”. Chris Wheeler, analista da Atlantic Equities, diz que isto pode levar alguns investidores a questionarem a veracidade dos resultados.