Depois de juntar mais de 150 mil assinaturas, a petição organizada por funcionários da União Europeia onde era repudiada a contratação de Durão Barroso pelo banco de investimento Goldman Sachs vai ser entregue esta quarta-feira às 10h00 de Lisboa ao secretário-geral da Comissão Europeia, Alexander Italianer. A informação foi avançada pela versão europeia do site Politico.

A petição em causa foi lançada a 11 de julho, foi assinada por “EU Employees” (em português, Funcionários da UE) e foi dirigida a três altos responsáveis europeus: o Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker; o Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk; o Presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz.

Petição pede “medidas fores e exemplares contra Durão Barroso”

Aos três líderes era pedido que aplicassem “medidas fortes e exemplares contra Durão Barroso”. Entre estas, referem a “suspensão” da reforma de Durão Barroso como ex-Presidente da Comissão Europeia “durante o período em que exercer funções na Goldman Sachs e ulteriormente” e a remoção “todos os títulos honoríficos possíveis ligados às instituições europeias”.

No texto da petição, traduzido para sete línguas incluindo o português, é dito que a contratação do antigo primeiro-ministro português para chairman do Goldman Sachs International, holding europeia daquele banco de investimento, “é mais um exemplo da prática irresponsável da ‘porta giratória’ altamente prejudicial para as instituições da União Europeia”. Para os autores do texto, “embora não seja ilegal, [a contratação] não deixa de ser moralmente repreensível”.

durao-barroso02_1200x300_acf_cropped

Durão Barroso foi Presidente da Comissão Europeia entre 2004 e 2014

Isto porque, sublinham os signatários, o Goldman Sachs é um “dos bancos mais implicados na crise dos subprimes que desencadeou a crise financeira de 2007/2008” e também é acusado de ter ajudado “a Grécia dissimular o seu deficit para depois, em 2009/2010, ter especulado contra ele em pleno conhecimento da insustentabilidade da dívida”.

Por isso, a petição refere que a decisão de Durão Barroso “é irresponsável porque alimenta um contexto político que não é só de euroceticismo, mas sobremaneira de eurofobia”.

O texto foi assinado por 151 950 pessoas.

21262671_1200x300_acf_cropped_1200x300_acf_cropped

O sucessor de Durão Barroso, Jean-Claude Juncker, retirou-lhe os “privilégios de passadeira vermelha”

Depois desta polémica, Jean-Claude Juncker retirou os “privilégios de passadeira vermelha” a Durão Barroso, que passaria a ser tratado da mesma forma como os restantes lobistas.

“Não aceito que restrinjam os meus direitos como cidadãos que sou, português e europeu”, reagiu Durão Barroso à altura. Sobre o Goldman Sachs, referiu que não foi contratado por “nenhum cartel de droga”, que está a trabalhar “numa entidade legal” e que não pode ser “responsabilizado por coisas que o banco possa ter feito no passado”.