Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma obra que promete criar, no mínimo, muita controvérsia. No livro Um Presidente Não Devia Dizer Isso…, assinado por dois jornalistas de investigação, François Hollande é citado a dizer frases como: “França tem um problema com o Islão”; existe “demasiada” imigração indesejada; ou “a mulher de burka de hoje” vai tornar-se o símbolo da República francesa. Vida difícil para o Presidente francês, cujos índices de popularidade já tiveram dias muito mais felizes.

O livro nasce de uma série de entrevistas informais (mais de 60) entre os dois jornalistas franceses Gerard Davet and Fabrice Lhomme e o Presidente francês. Nelas, o socialista tece considerações polémicas sobre vários temas como o Islão, a imigração, a Justiça francesa, o rival de sempre, Nicolas Sarkozy, e vai ao ponto de considerar alguns jogadores da seleção francesa de futebol “crianças mal-educadas”, pouco patrióticos e divorciados dos valores republicanos.

Mas os comentários mais sensíveis vão mesmo para a questão do Islão. Hollande terá dito aos dois jornalistas que “é verdade que existe um problema com o Islão”. “Ninguém duvida”, terá acrescentado. “Não é que o Islão se torne num problema no sentido em que é uma religião perigosa, mas na medida em que se quer afirmar como a religião da República.”

Num outro comentário, Hollande, quando questionado sobre a obsessão do Estado francês com a identidade nacional e o véu muçulmano, o Presidente francês terá respondido que acredita que “a mulher de burka de hoje” venha a tornar-se o símbolo da República francesa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Como explica o jornal britânico The Telegraph, estas declarações de Hollande estão a ser tidas como ambíguas. O socialista já veio esclarecer a questão, garantindo que esta não era uma profecia sobre a islamização do país, mas sim um desejo confesso de lutar pela libertação da mulher muçulmana. “Se conseguirmos proporcionar as condições adequadas para que a mulher [muçulmana] possa florescer, então vai libertar-se da burka e tornar-se francesa”.

Noutra passagem do livro, Hollande não poupa adjeticos negativos para se pronunciar sobre o antecessor: para o socialista, Nicolas Sarkozy, que vai entrar novamente na corrida às presidenciais francesas, é um “pequeno De Gaulle”, “cheio de vulgaridade, maldade e cinismo”.

O Presidente fala ainda dos juízes franceses, deixando críticas à classe. Os juízes franceses, terá confessado, “não gostam de políticos” e constituem uma “instituição de covardia”.